Comentário: Como salvar "crianças norte-americanas sob armas de fogo"
Fonte: CMG Published: 2022-10-29 20:37:28

"Os pais acordam todos os dias rezando para que seus filhos não tenham sido baleados", é assim que um congressista norte-americano descreve o enorme impacto psicológico que a violência de arma de fogo causou aos cidadãos dos EUA.

De acordo com os dados recém-divulgados por “K-12 Banco de Dados de Tiroteio Escolar”, uma organização sem fins lucrativos nos EUA, até agora, com ainda dois meses até o final do ano, o país já assistiu 260 tiroteios escolares, um número recorde em um único ano. Este ano, 1.379 crianças e adolescentes foram mortos pela violência de armas de fogo e mais 3.687 ficaram feridos em todos os Estados Unidos.

O tiroteio em uma escola secundária em St. Louis, Missouri, ocorrido no dia 24, matou três pessoas e feriu outras sete. De acordo com a mídia local, o autor do tiroteio era um jovem de 19 anos. Os portões da escola já haviam sido fechados e barricados antes do tiroteio. Assim que o diretor teve tempo hábil para informar, por alto-falante, toda a escola através da leitura do código de alerta, um ensaio que toda a escola já tinha participado antes, mas pouco tempo depois, a tragédia ocorreu. Em outras palavras, mesmo que os professores e estudantes tivessem sido treinados e preparados para responder a um tiroteio, isso não teria impedido o caso. Isto causou um impacto ainda maior na sociedade norte-americana.

Diante dos numerosos tiroteios nos Estados Unidos, muitas pessoas se perguntam: Por que o governo é indiferente ao fato de que, um após outro, crianças e adolescentes estão caindo sob armas de fogo?

Isto começa com as falhas do sistema político dos EUA. É difícil de sacudir o direito de porte de armas definido na Segunda Emenda à Constituição dos EUA. Ao mesmo tempo, grupos de interesse como a Associação Nacional de Espingardas se esforçaram muito para o governo agir em seu favor.

Não é que não haja caminho, mas que não há passos para mudança. Para os políticos norte-americanos, combater a violência armada requer um forte compromisso de servir o povo para elaborar políticas racionais refletindo suas necessidades. Mas tudo o que eles fazem é falar e não agir, ou na melhor das hipóteses "mexer".

Se as falhas do sistema político norte-americano não forem remediadas, se a arena política permanecer nas mãos de egoístas sofisticados, e se grupos de interesse sempre ganharem endosso do governo, o povo norte-americano não poderá escapar da sombra da violência armada e terá que pagar por ela com suas vidas. 

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Gabriela Nascimento