Comentário: A “democracia dos EUA” devasta qualquer lugar onde chega
Fonte: CRI Published: 2022-09-01 22:45:33

Há um ano, em 29 de agosto, um dia antes da retirada completa do Afeganistão, os militares dos Estados Unidos lançaram um ataque aéreo no país com o pretexto de lutar contra grupos extremistas, o que causou a morte de dez civis, incluindo sete crianças, a mais nova com apenas dois anos de idade.

Um ano depois, na mesma data, pelo menos 30 pessoas morreram e centenas ficaram feridas em um confronto severo em Bagdá, capital do Iraque. Até a “zona verde”, que é protegida pelas tropas norte-americanas, também foi atacada por mísseis e foguetes. Segundo o jornal The New York Times, isso indica que o Iraque começará possivelmente a entrar em uma fase mais perigosa.

Do Afeganistão ao Iraque, esses dois “modelos democráticos” estabelecidos pelos Estados Unidos através do uso de armas demonstram com seus fatos dolorosos que onde a “democracia ao estilo americano” estiver, as regiões serão envolvidas profundamente em conflitos turbulentos, e seus povos se tornarão vítimas inocentes e refugiados, como por exemplo o Iraque, que nunca conseguiu formar com sucesso seu gabinete desde a implementação da “democracia ao estilo dos EUA” em 2005.

Voltando à raiz do problema, o iniciador da turbulência no Iraque são os Estados Unidos, que em 2003 lançaram a guerra no país do Oriente Médio e implantou à força seu modelo de democracia. Após cerca de 20 anos, a chamada “transformação democrática” devastou o Iraque.

Politicamente, os EUA enxertaram o sistema político democrático do ocidente no Iraque e estabeleceram um modelo de descentralização sectária. O cargo de presidente é exercido por curdos, enquanto o de primeiro-ministro e de presidente parlamentar são assumidos respectivamente por xiitas e sunitas islâmicos, o que causou realmente a divisão política profunda do Iraque.

No aspecto econômico, guerras e conflitos causaram perdas incalculáveis para a economia iraquiana. Dados mostram que o PIB per capita do Iraque era de US$ 10.356 em 1990, mas em 2020, era de apenas US$ 4.157.

Além disso, devido à situação política caótica iraquiana, o terrorismo se disseminou rapidamente no país, tornando o povo em vítimas diretas. De 2003 a 2021, ocorreram anualmente em média cerca de 3.400 ataques terroristas, com uma média de 4 mortes inocentes por incidente.

Nos últimos 20 anos, quase um milhão de pessoas no Oriente Médio perderam suas vidas, tornando-se vítimas da “democracia americana”. A comunidade internacional deve liquidar os crimes cometidos pelos EUA na região e buscar justiça para as pessoas inocentes.

Tradução:Zhao Yan

Revisão:Erasto Santos Cruz