Ruínas Yin, Anyang
2007-07-25 09:58:52    cri

Anyang é uma das sete antigas cidades capitais da China e é uma Meca cultural e histórica. Localizada no norte da Província de Henan, Anyang foi a capital do estado durante a última parte da dinastia Shang (também denominada Yin), que dominou a China entre c. 1300 A.C. e 1046 A.C.. As ruínas testemunham uma nova era na história da China, com uma economia, sistema político e militar, tecnologia e cultura desenvolvidas, no que era uma sociedade de escravos típica. Inscrições em oráculos encontrados no local representam a mais remota caligrafia chinesa conhecida.

A dinastia Shang foi a primeira dinastia de que se conhecem registos históricos contendo informações sobre a política, a economia, a cultura, a religião, a geografia, a astronomia, as artes e a medicina deste período, e por conseguinte, toma um lugar importante na história da civilização chinesa. Constitui uma das quatro principais civilizações antigas, juntamente com as civilizações egípcia, mesopotâmica e indiana. Das escritas destas quatro civilizações, três delas, o egípcio, o babilónio arcaico e o hindu arcaico, deixaram de se praticar, enquanto que os caracteres encontrados nas inscrições chinesas descobertas em Anyang, ainda hoje se usam.

Estendendo-se por uma área de 30 quilómetros quadrados, as Ruínas Yin ocupam ambas as margens do Rio Huan, localizado a noroeste da cidade de Anyang. De acordo com estudos baseados em registos históricos, o Rei Pan Geng, da dinastia Shang, mudou a sua capital para Anyang, a qual se manteve até ao final da mesma dinastia, governada pelo Rei Zou (Dixin). A dinastia Shang prolongou-se por cerca de 250 anos, estendendo-se por oito gerações e doze reis.

Em 1899, foram descobertas inscrições em carapaças de tartaruga e em osso na aldeia de Xiao Tun, que confirmam a existência de uma história documentada desta dinastia. As Ruínas Yin foram descobertas no início do séc. XX e as primeiras escavações foram efectuadas em 1928. De 1926 a 1937, efectuaram-se quinze escavações e, desde 1950, têm-se feito múltiplos esforços no que se refere ao estudo do local. Em 1961, as Ruínas Yin foram proclamadas um local histórico protegido.

As principais atracções das Ruínas Yin, candidatas a Património Mundial da UNESCO, incluem a zona das ruínas do Palácio Yin Xu e o Túmulo de Fuhao, localizado na zona do Templo de Adoração dos Antepassados do Palácio (Museu).

Característica Notável: Sofisticada antiga capital chinesa e berço das inscrições em oráculos com caracteres em completo desenvolvimento.

Principais atracções:

Zona do Templo de Adoração dos Antepassados do Palácio Yin Xu

A "Zona do Templo de Adoração dos Antepassados do Palácio Yin Xu" situa-se perto do Rio Huan e a nordeste da aldeia Xiao Tun, existindo nesta zona cerca de oitenta fundações de construções antigas. Foram desenterrados cerca de 160000 fragmentos de carapaças de tartaruga e de fragmentos de osso com inscrições, assim como um túmulo de um membro da família real, muito bem conservado, denominado Túmulo de Fuhao.

Túmulo de Fuhao

O "Túmulo de Adoração Fuaho" está localizado na "Zona do Templo de Adoração dos Antepassados". Fuhao era a mulher do Rei Wuding da dinastia Shang, a qual tinha a patente de general, de acordo com documentos antigos. Nas escavações do túmulo encontraram-se um total de 1928 fragmentos, incluindo carapaças de tartaruga e ossos com inscrições, vasos de bronze, artigos de jade, osso, ferramentas em pedra, objectos em marfim e conchas, que se encontram depositados no Museu de Henan, na cidade de Zhengzhou, e na Estação Arqueológica de Anyang, do Instituto de Ciências Sociais da China. Foram deixadas dentro do túmulo algumas réplicas dos achados das escavações. Esta descoberta foi uma importante revelação para a arqueologia e para a história chinesas.

Zona do Palácio Yin Xu

A "Zona do Palácio Yin Xu" localiza-se na parte norte do Rio Huan, a norte das aldeias de Hou Jia Zhuang e Wuguan. Foram aqui recentemente desenterrados treze templos reais e descobertos milhares de altares e muitos vestígios de sacrifícios humanos e animais, assim como um grande número de inscrições em carapaças de tartaruga e osso, para além de delicados vasos de bronze, ferramentas e utensílios. Uma das descobertas é extremamente rara: o vaso quadrado Si Muwu, com o peso de 875 quilos. Todos os artefactos encontrados neste local ilustram o estádio avançado da civilização da dinastia Shang. A maior parte dos túmulos e altares foram novamente enterrados e apenas algumas sepulturas, que se encontram cobertas, foram conservadas para demonstração e estudo posterior. Estas escavações exibem uma carruagem e cavalo, altares e os túmulos reais. Plantas e maquetas são usadas para mostrar a localização e o formato das sepulturas.

 
Leia mais Comentário