Conheça os sabores diversificados e deliciosos da Tailândia

Fonte: CRI Published: 2021-06-01 11:14:01
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A Tailândia é famosa mundialmente por sua paisagem linda. Sem dúvida, é também um paraíso para os que gostam das delícias. A riqueza dos seus ingredientes, sabores deliciosos e equilíbrio de nutrição fazem da gastronomia tailandesa uma das mais ricas do mundo.

Geralmente, os pratos tailandeses combinam sabores picantes, doces, salgados e ácidos, embora levem pouco sal, açúcar e óleo. Traços das culinárias chinesa e indiana se fazem presentes nos pratos tailandeses à base de arroz e caril, respetivamente. Além disso, as influências de outras culturas também deixaram marcas importantes, como a pimenta-malagueta, introduzida para a região pelos comerciantes portugueses no século 16.

O arroz é um dos alimentos que nunca faltam na mesa dos tailandeses. A comida pode ser preparada de muitas maneiras: fervida, frita, cozida no vapor ou servida em sopa. Os molhos também são importantes, sendo considerados como a base da culinária tailandesa. O molho de peixe, por exemplo, em muitos pratos substitui o uso do sal. Os legumes mais comuns na cozinha da Tailândia são a abóbora, pimentão, brócolis e vagem.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Artesanatos decorados com fios de ouro de 0,2mm
Artesão de Hainan produz instrumento musical com cocos
Artista polonês constrói uma casa em formato de chaleira
Escola primária em Changxing comemora o Dia Mundial da Terra
Vamos proteger a Terra com ações práticas
Terras abandonadas são transformadas em parque de chá em Yingshan na província de Sichuan

Notícias

Rússia diz que continua atacando armamento oferecido pelos EUA e Europa à Ucrânia
O “petróleo democrático” com preço subindo
Cidades e vilas chinesas geram 2,85 milhões de empregos no primeiro trimestre de 2022
EUA não querem paz na Ucrânia
Equipe médica chinesa oferece consultas médicas gratuitas em São Tomé e Príncipe
Comentário: Destino de Assange revela a realidade da “liberdade do estilo norte-americano”