China Radio International
(GMT+08:00) 2004-05-18 09:53:41    
Jiang Taigong pescava e esperava

cri
A história de Jiang Taigong tem sido utilizada dos modos mais diversos na China. Na sua essência, pode afirmar-se que se trata de um apontamento filosôfico igual ao provérbio "quem espera sempre alcança". Se quisermos aprofundar um pouco mais o análise de conteúdo da história de Jiang Taigong, sobre o plano da estratégia política e militar, ela aconselha a "esperar pelo momento oportuno".

O personagem em questão, Jiang Taigong, também chamdado Jiang Ziya ou Jiang Shang, é real. Viveu no século XI antes de nossa era, e tornou-se conselheiro do rei Wen e do seu filho, o rei Wu, fundador da dinastia Zhou (1122-771 a. C).

O último governante da dinastia Shang (do séc. XVI ao séc. XI a. C) era um tirano debochado, que passava os dias na alcova da sua concubina favorita, Daji, e que fazia punir e executar oficiais honrados e honestos a seu belo-prazer. Jiang Shang trabalhou para este tirano, e à medida que o foi conhecendo a sua indignação aumentava, a tal ponto que odiava o rei com quantas forças tinha. Perito que era em assuntos de estratégia militar, esperava só que um dia alguém apelasse para ele, para depor o tirano. Jiang esperou até aos oitenta anos. Todos os dias pescava, num alfuente do rio Weihe, perto da atual Xi´an, na província do Shaanxi. Algumas versões da história pretendem mesmo que Jiang pescava com um anzol sem ponta, ou mesmo sem anzol, mas apenas com a convição de que o "peixe" viria até ele, quando disposto a isso.

De acordo com a história, o rei Wen do Estado de Zhou, que então florescera em Shaanxi, encontrou um dia Jiang Shang à pesca, placidamente sentado à beira do rio. O rei Wen andava em busca de gente de talento. Na realidade, Wen tinha ouvido da boca do seu progenitor a premonição de que um sábio apareceria um dia, para ajudar a governar os assuntos do Estado de Zhou. Logo que o viu, o rei achou que Jiang Shang era um velho invulgar, e resolveu falar com ele. Depois de dois dedos de conversa, o rei descobriu que, na realidade, o velho pescador de cabelos cor do tempo, era um estratega militar e político da mais alta estirpe. "Deve ser este", pensou, "o homem de que falava meu pai!" Wen levou Jiang Shang para a sua corte, nomeou-o seu primeiro-ministro e deu-lhe o título de Jiang Taigongwang(Esperança do Duque de Zhou), que foi posteriormente abreviado para Jiang Taigong.

Já muito depois do seu tempo, ao escrever-se a sua história, referiram-se as seguintes ideias como pilares do pensameto de Jiang: um Estado só pode tornar-se poderoso quando o povo é próspero; se os dirigentes enriquecerem à custa da pobreza do povo, o governo não dura muito; e, amar o povo significa reduzir os impostos e dosear o trabalho. Segundo se diz, foi seguindo estas ideias que o rei Wen muito rapidamente fez prosperar o Estado de Zhou.

Depois do rei Wen ter morrido, o seu filho, o rei Wu, resolveu reunir as tropas e marchar contra o rei de Shang, mas Jiang Taigong impediu-o: "Temos de esperar pelo momento oportuno", disse Jiang ao jovem rei, "esta foi a grande verdade que eu descobri enquanto pescava em Panxi. É a paciência que conduz ao sucesso". Algum tempo depois chegaram à corte de Zhou notícias de que o povo de Shang vivia sob tal opressão, que não havia já quem se atrevesse a abrir a boca para dizer fosse o que fosse. Então, Jiang Taigong e o rei Wu decidiram que chegou a hora de passar à ofensiva, pois o povo tinha perdido por completo a confiança no monarca. Uma batalha sangrenta teve lugar em Muye, a cerca de 35 quilômetros de Yin, capital de Shang, atual Anyang, na província do Henan. Jiang Taigong à cabeça das tropas conduziu a luta e levou as tropas de Shang, frente ao rufar dos tambores de guerra, para o sudoeste, enquanto as fileiras comandadas pelo rei Wu cercavam a capital.. O rei de Shang enviara para o campo de batalha escravos mal reinados. Muitos deles revoltaram-se contra o tirano, outros renderam-se às tropas de Zhou, e assim a capital caiu.

Segundo conta a história, o rei de Shang lançou fogo ao seu palácio e morreu queimado entre os escombros. Daji, segundo algumas versões, teria sido capturada e executada, noutras, teria cometido suicídio. No que respeita aos vencedores da contenda, derrotado o tirano, o rei Wu e os seus descendentes instalaram a dinastia de Zhou que reinou em toda a China. Jiang Taigong foi nomeado pelo rei duque do Estado de Qi, a atual província do Shandong, que prosperou, devido ao saber do velho político e estratega, que mandou abrir estradas e explorar os recursos naturais do Estado de Qi, o peixe e o sal.

A figura de Jiang Taigong andou durante muito tempo na imaginação do povo, que lhe atribui a redação de um livro de estratégia militar, o Liutao, "As Seis Estratégias". Muitas outras lendas se arquitetaram em torno da sua figura, a maior parte das quais foi coligida no Fengshen Yanyi (História de Deuses e Heróis), uma coletânea da dinastia Ming de contos e lendas.

No rio, perto de Xi´an, existe ainda hoje uma pedra onde, segundo o povo, Jiang se sentava a pescar, durante a sua longa espera, e em muitas miniaturas gravadas, aparece um velho a pescar, que não é outro senão o velho Jiang Taigong.