3º volume de obra de Xi Jinping traz importante panorama sobre a China

Fonte: CRI Published: 2021-04-07 10:27:54
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Desde o 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China, o presidente Xi Jinping apresentou diversas ideias extraídas de suas experiências como governante, que foram cronologicamente compiladas no terceiro volume de “Xi Jinping: A Governança da China”. A obra é organizada pelo Departamento de Publicidade do Comitê Central do Partido Comunista da China e pelo Gabinete de Informação do Conselho de Estado. Contou ainda com o apoio do Instituto de Pesquisa de História e Literatura do Partido do Comitê Central do Partido Comunista da China e do China International Publishing Group.

As duas primeiras edições da obra foram destaques na China e no mundo. Esse terceiro volume é uma coleção de 92 artigos, discursos, conversas, instruções e cartas de Xi Jinping, entre 18 de outubro de 2017 e 13 de janeiro de 2020, além de 41 fotografias. Em 19 seções, são discutidos tópicos que vão desde a governança nacional chinesa até uma maior abertura do país ao mundo.

Trata-se de importante compêndio aos interessados em entenderem melhor o pensamento chinês e o papel e os esforços da potência asiática nessa remodelagem de governança global.

Alguns dos temas discutidos por Xi Jinping na obra merecem maior destaque. São eles:

“Eliminação da pobreza e uma sociedade moderadamente próspera”, “Rumo das próximas reformas”, “Abertura, inovação e inclusão chinesa”, “Democracia Socialista”, “As Forças Armadas do Povo Chinês”, “Diplomacia da China como importante player global”, “Comunidade Global de Futuro Compartilhado”, dentre outros.

E quais são as implicações e a importância desse novo compilado às autoridades, empresários e comunidade acadêmica brasileira?

O Brasil foi o primeiro país da América Latina a desenvolver comércio bilateral com a China em um nível acima de US$ 100 bilhões. Após o estabelecimento das relações diplomáticas em 1974, as duas nações elevaram a parceria estratégica global em 2012. O gigante asiático é o maior parceiro comercial do Brasil desde 2009.

Vale dizer que a China e o Brasil são interdependentes e podem se beneficiar substancialmente dessa relação “ganha-ganha”, uma vez que ambos avaliam a parceria como estratégica a longo prazo. O fortalecimento dessa união, pacífica e sem histórico de guerras, é nítida, com a intensificação do comércio, o aumento do fluxo de investimentos e a cada vez mais efetiva integração em busca de resultados mutuamente positivos. Tanto é assim que foi constituída a Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN), em 2004, como mecanismo de diálogo político regular entre os dois países. Destaque também para o Plano Decenal de Cooperação e do Diálogo Estratégico Global (2012-2021), com o objetivo de assinalar as áreas prioritárias e os projetos-chave em ciência, tecnologia e inovação, cooperação econômica e intercâmbio entre os povos sino-brasileiros.

Nesse sentido, é importante ressaltar que o Plano Decenal de Cooperação Brasil-China (2022-2031) também é mais uma oportunidade para explorar o arcabouço institucional sino-brasileiro. Estamos em um momento singular para se debater acerca da implementação de projetos-chave simbólicos, como por exemplo a ferrovia bioceânica para interligar a malha ferroviária entre Brasil e Peru, ligando o oceano Atlântico ao Pacífico. É indiscutível o peso muito maior da Ásia e especialmente da China nos fluxos de comércio, investimentos e tecnologias mundiais. E o Brasil precisa adotar essa visão global e estratégica para o desenvolvimento doméstico interno.

Sem prejuízo, Brasil e China podem estabelecer um acordo de livre-comércio. A oportunidade para estreitar ainda mais os laços econômicos e comerciais seria a adesão do Brasil à política de Cinturão e Rota, estabelecida pelo governo do presidente Xi Jinping, em 2013. O principal objetivo da iniciativa é conectar a China aos seus parceiros por meio do desenvolvimento das frentes de infraestrutura, tecnologia e saúde.

É inquestionável a possibilidade de a China desenvolver e aprofundar a relação com o Brasil no momento pós-pandemia nas áreas agrícola, de energia limpa, mineração, infraestrutura, comércio eletrônico, manufatura inteligente e telecomunicação, especialmente com ênfase na tecnologia 5G. O Brasil já tem cooperação pragmática na área de commodities, como soja, minério de ferro, petróleo, celulose e proteína animal, além do comércio eletrônico, mas poderá intensificar a parceria de investimento com a China na área de alta tecnologia, principalmente no contexto da indústria 4.0, através da revolução dos meios de produção com o desenvolvimento do machine learning, internet das coisas e o big data.

Diante dos recentes desafios ao multilateralismo, a necessidade de reforma da governança mundial, dada a nova arquitetura global na era da quarta revolução industrial, a cooperação pragmática sino-brasileira deve superar as ideologias e respeitar os diferentes sistemas sociais, buscando sempre o caminho de desenvolvimento e coexistência pacíficos, com o objetivo de construirmos juntos a ponte econômica, política e social sino-brasileira.

Essa necessidade de cooperação foi enfatizada na última reunião das duas sessões chinesas em maio de 2020, constituídas pela Assembleia Popular Nacional e pela Conferência Consultiva Política do Povo Chinês – cruciais reuniões em que são transmitidas as informações sobre o desenvolvimento econômico e social da China, bem como as metas e prioridades do país. O mundo vive numa aldeia global e é hora de superarmos em conjunto as diferenças para promovermos a construção de futuro compartilhado com toda a humanidade.

“Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha” (Confúcio).

Autor: José Ricardo dos Santos Luz Junior, é CEO do LIDE China e Gerente Institucional do escritório BNZ Advogados. Pesquisador do Grupo de Estudos sobre os BRICS da Faculdade de Direito da USP (GEBRICS/USP) e Pesquisador do Grupo de Estudos de Cortes e Tribunais Internacionais da Faculdade de Direito da USP (NETI-FDUSP). Membro da Coordenação Nacional das Relações Brasil-China do Conselho Federal da OAB e membro da Comissão de Relações Internacionais da OAB/SP. É Membro da Rede Brasileira de Estudos da China (RBChina).

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Universidade de Xiamen, mais linda universidade da China
Primavera na Grande Muralha
Festival Qingming registra 102 milhões de viagens de turismo doméstico
Chocolates em forma de coelho produzidos em uma fábricada Alemanha
Competição de esportes dentro da piscina organizada no Parque Oceânico de Haichang
Festival Internacional de Arte de Luz de Beijing realizado no Parque Yuyuantan

Notícias

​Para novo chanceler brasileiro, cooperação internacional é uma urgência para vencer pandemia
3º volume de obra de Xi Jinping traz importante panorama sobre a China
Xiongan esforça-se para criar um ambiente de negócios de classe mundial
Ruili, na China, coloca mais áreas na lista de riscos para COVID-19
Petrobras aumenta 39% o preço de venda do gás natural a distribuidoras
Justiça proíbe retomada de aulas presenciais na cidade do Rio de Janeiro