​Comentário: Acordo de Investimento China-UE não é ferramenta de alguns políticos ocidentais

Published: 2021-03-25 20:38:32
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Recentemente, a China respondeu de imediato às sanções impostas pela União Europeia baseadas nas mentiras sobre Xinjiang, ato que irritou alguns políticos europeus. O Parlamento Europeu cancelou, dias atrás, a reunião de revisão do Acordo de Investimento China-UE, a fim de pressionar a parte chinesa.

Entretanto, o acordo não é uma ferramenta de alguns políticos europeus. Para a UE, os dois pontos seguintes devem ser bem observados.

Primeiro, o Acordo de Investimento corresponde aos interesses de ambas as partes e é favorável à exploração do mercado e à ampliação do investimento tanto para a China como para a UE. O acordo não é um “presente” oferecido pela UE à China. Para a UE, o impedimento deste acordo não é nada benéfico.

Segundo, o verdadeiro obstáculo do Acordo de Investimento China-UE vem das facções contra a China que pretendem destruir a cooperação sino-europeia.

As características destacadas deste acordo residem no equilíbrio, alto nível, benefícios recíprocos e ganho mútuo. Ambas as partes se comprometeram a providenciar um acesso ao mercado de alto nível e benefícios recíprocos, compromissos que servem de forma bidirecional. Essas medidas criarão um ambiente de competição imparcial para as empresas e beneficiarão o mundo inteiro.

Por este motivo, após a conclusão das negociações do Acordo de Investimento China-UE no final de 2020 conforme programado, as empresas de ambos os lados expressaram suas boas-vindas. Há apenas dez dias, a Comissão Europeia emitiu um comunicado de imprensa afirmando que o Acordo de Investimento China-UE proporcionará às empresas europeias, investidores e prestadores de serviços que investem na China maior segurança jurídica, melhores condições e regras de acesso ao mercado.

Atualmente, alguns políticos europeus politizaram as questões econômicas e comerciais em seu próprio benefício e colocaram obstáculos ao avanço do Acordo de Investimentos China-UE, o que certamente prejudicará os interesses das empresas e dos povos europeus.

Nos últimos 20 anos, as empresas europeias investiram 146 bilhões de euros na China e obtiveram grandes lucros, um grande mercado com 1,4 bilhão de consumidores. Muitos analistas acreditam que, se o Acordo de Investimento China-UE for afetado, a UE perderá uma grande oportunidade. Atualmente, existem muitas vozes na UE apelando para a proteção dos interesses comerciais europeus na China, e os interesses comerciais não devem ser vítimas políticas.

Tradução: Xia Ren

Revisão: Erasto Santos Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Flores de azaleia colorem paisagens em montanhas de Bijie, da província de Guizhou
Primeira livraria de concreto impresso em 3D inaugurada em Shanghai
Exposição de ciência espacial tripulada da China inaugurada em Beijing
Paredes decoradas com pinturas coloridas
Paisagem após chuva em Enshi, província de Hubei
Ponte Ruyi em Taizhou

Notícias

Brasil supera 300.000 mortos por COVID-19
Confira as violações de direitos humanos nos EUA em caricatura
China não permite qualquer difamação ao algodão de Xinjiang
ONU faz homenagem às 300 mil vítimas brasileiras de Covid-19 no Rio
Brasil tem mais de 12,22 milhões de casos confirmados de Covid-19
​Foi lançado Cross-Strait Radio, a radiodifusão da CMG para Estreito de Taiwan