Brasil supera 205 mil mortes por COVID-19

Fonte: Xinhua Published: 2021-01-14 18:57:44
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O Brasil ultrapassou a marca de 205 mil mortos pelo novo coronavírus após contabilizar mais 1.274 óbitos nas últimas 24 horas e elevar o total a 205.964, segundo o balanço oficial divulgado nesta quarta-feira pelo Ministério da Saúde.

Entre as mortes confirmadas na quarta-feira está a do prefeito da cidade brasileira de Goiânia, capital do estado de Goiás (centro-oeste), Maguito Vilela, que estava internado há 83 dias em uma Unidade de Tratamento Intensivo do hospital Alberto Einstein, de São Paulo, em decorrência de complicações da COVID-19.

Vilela, de 71 anos, do partido Movimento Democrático Brasileiro (MDB) tinha sido eleito no segundo turno das eleições municipais em novembro e tomou posse no hospital, mas estava de licença devido à gravidade do seu caso.

Com os dados desta quarta-feira, o Brasil registrou mais de mil mortes pela COVID-19 pelo segundo dia consecutivo, depois de ter confirmado 1.110 óbitos causados pela doença na terça-feira.

Segundo o governo, de ontem para hoje, foram confirmados mais 60.899 casos positivos do vírus no país, elevando o total acumulado de infectados para 8.256.536 desde o começo da pandemia. De acordo com a pasta, 7.316.944 pessoas se recuperaram da doença, enquanto outras 733.628 estão em acompanhamento.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, centro de referência mundial no monitoramento da doença, o Brasil é o terceiro país com o maior número de casos no mundo, atrás apenas de Estados Unidos e Índia e aparece em segundo lugar em mortes causadas pela COVID-19, atrás dos EUA.

Epicentro da pandemia no Brasil, o estado de São Paulo (sudeste) segue sendo o mais afetado, com 1.577.119 casos e 48.985 mortos seguido pelo Rio de Janeiro (sudeste) em número de mortes 27.241 óbitos.

O estado de Minas Gerais (sudeste) é o segundo em número de casos, com 611.152, seguido por Santa Catarina (sul), com 529.389, Bahia (nordeste), 518.955, Rio Grande do Sul (sul), 490,980, e Paraná (sul), com 486.843. O Rio de janeiro é o sexto em número de infectados, com 469.437.

O país vive a expectativa de que o governo anuncie o início da vacinação contra a COVID-19, o que deverá ocorrer após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizar os pedidos das farmacêuticas para uso emergencial dos imunizantes .

Nesta quarta-feira, a farmacêutica brasileira União Química e o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) anunciaram que enviarão ainda esta semana a Anvisa uma solicitação de uso emergencial da vacina Sputnik V.

No momento, a Anvisa analisa duas solicitações recebidas na sexta-feira passada: a da vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac junto com o Instituto Butantan de São Paulo e o da britânica AstraZeneca junto com a Universidade de Oxford.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Pássaros silvestres comem os frutos restantes nas árvores de dióspiro
Um labirinto feito com plantas atrai turistas na cidade Kunming
Museu de Paleontologia de Nanjing aberto ao público
Estudantes da Universidade Agrícola de Henan participam de uma competição de raviólis criativos
Lanternas em forma de gatos decoradas nas ruas de Kaifeng
Paisagem de inverno de Parque Nacional da Floresta de Longchi, província de Sichuan

Notícias

China pede novamente ao Canadá para liberar Meng Wanzhou
Valor de importações e exportações da China atinge 32,16 trilhões de yuans em 2020
Grupo da OMS chega a Wuhan para rastrear a origem do novo coronavírus
EUA são um país plutocrático em vez de democrático, diz diplomata de Cingapura
China adotará esquema de "chefe de floresta" em todo o país
China avança no desenvolvimento de motores de foguetes para missões espaciais