Comentário: É loucura pressionar empresas norte-americanas a se retirarem da China

Fonte: CRI Published: 2020-07-30 21:19:49
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, proferiu recentemente um discurso na Biblioteca e Museu Nixon, na Califórnia, difamando a China ao dizer que ela põe “coerção” às empresas estadunidenses, fazendo com que precisem “agradar o partido no poder” ao realizar negócios no país. Alegando a livre concorrência, Pompeo e seus colegas, porém, são pessoas que interferem diretamente nas decisões comerciais das empresas e colocam barreiras para o desenvolvimento livre. Seus atos de espalhar boatos e criar tensões a fim de provocar uma separação das economias dos EUA e da China demonstram uma intenção louca e sinistra.

Vamos ver o quão absurdo é a justificação de Pompeo para caluniar a China. Ele citou o discurso do conselheiro de segurança Robert C. O’Brien dizendo que “o Marriott Hotels Group, a American Airlines, a Delta Airlines e a United Airlines excluíram todas as referências a Taiwan dos seus sites para não ofender Beijing”. Mas todo o mundo sabe que Taiwan é território indivisível da China e que empresas estrangeiras que atuam na China devem respeitar a soberania e integridade territorial da nação chinesa. Antes, o Marriott lista Taiwan como um “Estado”, enquanto a American Airlines e outras companhias aéreas também colocavam Taiwan e China na mesma escala, o que obviamente viola o princípio de “uma só China” e causou a insatisfação do povo chinês. Claro que Pompeo compreende exatamente o ocorrido como diplomata-chefe da Casa Branca, mas prefere criar confusão e aproveitar o incidente para desafiar os princípios fundamentais da China. Eis a sua ambição selvagem!

Então, por que as empresas norte-americanas querem fazer negócios com a China? Isto se deve à essência de benefícios mútuos das trocas econômicas e comerciais entre a China e os Estados Unidos desde seu estabelecimento das relações diplomáticas há 40 anos. Nos últimos anos, a receita anual de vendas das empresas de capital norte-americano ultrapassou US$700 bilhões na China, cujos lucros superam US$50 bilhões. Ao mesmo tempo, produtos chineses de alta qualidade e baixo custo entraram em milhões de famílias norte-americanas, levando benefícios verdadeiros aos consumidores. O que Pompeo falou sobre o roubo da China não passa de uma falácia.

Já os Estados Unidos encontram alta taxa de desemprego agora, e a poupança dos habitantes subiu para um recorde de 33% em abril. “As empresas norte-americanas precisam mais do que nunca do mercado chinês, com sua população de 1,4 bilhão” observou o especialista alemão em China, Frank Sieren.

Além disso, perante o impacto da pandemia do novo coronavírus, a China adotou uma série de medidas para estabilizar o comércio exterior e o investimento estrangeiro. Os dados do Banco Mundial registraram uma melhoria evidente do ambiente de negócios na China, colocando o país no 31º lugar no ranking mundial em 2020, com um aumento de 47 posições.

É exatamente por serem orientadas pelas leis da economia de mercado que as empresas estadunidenses decidiram ampliar o investimento na China com o objetivo de alocar recursos e otimizar a eficiência de produção. Ao longo deste ano, empresas como Exxon Mobil, Honeywell, Tesla e Wal-Mart expandiram investimento e cooperação na China. já a recente pesquisa recente da Câmara de Comércio Americana na China mostra que 84% das empresas estadunidenses não manifestam vontade de se retirar da China, e 38% delas pretendem aumentar ainda mais o seu investimento.

Para se fazer uma comparação, o que Washington fez com as próprias empresas? Vimos que os políticos da Casa Branca descreveram os empresários como “traidores” e utilizaram os impostos para pressionar as empresas a voltarem. O site político The Hill informa que os empresários estão cautelosos e preocupados com a crescente hostilidade de Washington com a China. Pode-se dizer que alguns políticos norte-americanos estão “criando uma cortina econômica de ferro”. Só que as ações contra a corrente desta era serão derrotadas pela realidade.

Tradução: Isabel Shi

Revisão: Erasto Santo Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Cenário da área cênica de Tiansheng Sanqiao no distrito de Wulong em Chongqing
Pantanal de Ordos, na Região Autônoma da Mongólia Interior
Filhotes de tigre siberiano brincam no parque em Hailin, Heilongjiang
Festival Internacional de Balonismo abre em Gansu
Weining desenvolve indústria de cultivo de hortaliças para aumentar as oportunidades de emprego
Crianças participam de diversas atividades durante férias de verão

Notícias

Xi Jinping esboça caminho de fortalecimento do exército popular da China
Xi apresenta ordem para promover oficial militar para classificação de general
Começa Semana de Filmes do Cinturão e Rota em Shanghai
Vila de Shanxi garante emprego, educação e velhice para seus moradores
Organizações civis da China promovem troca de experiência sobre o controle de Covid-19 com Brasil
Respostas do governo Trump ao coronavírus demoram muito, diz diretor do CDC