Comentário: Quando políticos norte-americanos viciados em estigmatização voltarão a combater o COVID-19?

Published: 2020-07-25 20:45:03
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Recentemente, os EUA chamaram repetidamente o novo coronavírus de "vírus invisível da China" e "vírus Kungfu". Essa prática, que alimenta o racismo, recebeu críticas de cidadãos norte-americanos e do público mundial. Analistas dizem que o surto renovado de COVID-19 e as contradições raciais pressionaram tremendamente os formuladores de políticas dos EUA, que voltararam a procurar bodes expiatórios com o objetivo de desviar a atenção do público e servir à campanha eleitoral.

A origem de um vírus é uma questão científica. O renomado epidemiologista norte-americano Anthony S. Fauci rejeitou a teoria da conspiração de que o novo coronavírus tenha vindo de um laboratório chinês. Um editorial da revista médica The Lancet diz que fazer da China um bode expiatório para a atual pandemia não foi uma reação construtiva. A falta de solidariedade no controle global do COVID-19 é uma ameaça para todos.

Ao mesmo tempo, cada vez mais estudos estão provando que o vírus apareceu muito mais cedo em diferentes partes do mundo do que se pensava anteriormente. Vários países identificaram o vírus em águas residuais. A Espanha até mesmo adiou o surto do COIVD-19 já em março de 2019. Em seu último estudo, o renomado epidemiologista italiano, Prof. Carlo Federico Perno, da Universidade de Milão e sua equipe de pesquisadores descobriram que a cepa patogênica do novo coronavírus, que é comum na Lombardia, no norte da Itália, não contém a cepa obtida no estágio inicial da pandemia na China. Isso pode significar que a primeira disseminação do vírus na Itália não veio diretamente da China. O pesquisador honorário do Centro de Oxford para Medicamentos Baseados em Evidências, Tom Jefferson, disse que evidências crescentes sugerem que o vírus já existia em muitos locais antes de aparecer na Ásia.

No entanto, alguns políticos dos EUA são cegos para esse fato. Isso se deve principalmente ao agravamento da situação atual da pandemia do COVID-19 no país. O vírus retornou violentamente em vários estados dos EUA. Um milhão de novos contágios foram confirmados em 15 dias. O Centros dos EUA para Controle de Doenças (CDC) chegou a assumir que as infecções reais em todo o país são seis a 24 vezes mais altas do que os números oficiais. Os políticos dos EUA não têm escolha a não ser recorrer ao velho truque de culpabilizar terceiros.

Uma razão profunda é a mentalidade de Guerra Fria e os preconceitos ideológicos de alguns políticos norte-americanos. Além de estigmatizar a China como a origem do vírus, os EUA sancionaram autoridades e órgãos chineses e deliberadamente alimentaram conflitos ideológicos e pediram o fechamento do Consulado Geral Chinês em Houston. Estas claras provocações mostram o erro do julgamento estratégico de alguns políticos norte-americanos e sua crescente pressão. Suas práticas arriscadas representam uma grande ameaça para as relações bilaterais e à paz mundial.

Tradução: André Hu

Revisão: Erasto Santo Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Shantou: uma cidade diversa, rica em história
Xiamen, um jardim sobre o mar
Belo dia de sol em Beijing
Shenzhen: uma cidade moderna, energética, internacionalizada e de moda
Idosos praticam aeróbica tradicional no parque Templo do Céu em Beijing
Próspera indústria de plantação de pêras em Xinjiang

Notícias

Emissão de títulos da China chega a US$ 680 bilhões em julho
Aldeia na região montanhosa de Chongqing está mais acessível e tecnológica
72% dos ingressos do Festival Internacional de Cinema de Beijing são vendidos em 10 minutos
​Começa construção do CMG Copyright Trade Center em Shanghai
Xi Jinping: PCCh sempre terá sucesso se governar para o povo
Mianmar inicia 4ª reunião da Conferência de Paz de Panglong do Século 21