Tendência de desenvolvimento global e cooperação China-África diante da pandemia

Fonte: CRI Published: 2020-06-17 14:36:08
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Devido ao impacto da pandemia de Covid-19, todo o mundo está enfrentando um desafio econômico sem precedentes. Essa crise global da saúde pública afetou seriamente a economia, finanças, produção social e vida das pessoas, causando impactos e efeitos negativos incalculáveis. 

Os mais afetados pela epidemia são os setores intimamente relacionados à globalização, incluindo a manufatura, serviços, petróleo, aviação, transporte terrestre e marítimo, turismo e setor de restaurantes. No aspecto macroeconômico, o Produto Interno Bruto (PIB) de todas as economias tende a cair. Prevê-se que o volume econômico global terá uma redução de 3%, enquanto os países africanos deverão ter uma perda econômica de 4%. Os índices importantes para avaliar a estabilidade social, como os deficits de finanças públicas, inflação e taxas de desemprego e de pobreza, também enfrentarão grandes desafios.

Além disso, as medidas de isolamento social também reduziram a mobilidade da população, mercadorias e capitais e interromperam completamente a vida social. Por outro lado, a posição importante da China no processo de globalização é mais destacada nesta crise global de saúde pública. O valor agregado da indústria manufatureira chinesa ocupa 30% do total global, sendo uma presença importante na cadeia de suprimentos e no mercado de commodities. Nas áreas de mercadorias, serviço comercial, fluxos de capital e transferência de tecnologia, a China também já se tornou o parceiro mais importante da África.

Nesta crise global de saúde pública, a China mostra suficientemente ao mundo suas vantagens no sistema político e modelo de governança, que dependem do mecanismo de estado avançado e da liderança com espírito transformador. Para apoiar outros países no combate à epidemia, o governo chinês compartilhou ativamente suas experiências na prevenção de controle de doença e no tratamento de pacientes, além de enviar equipes médicas e fornecer assistência financeira ou de suprimentos.

Na abertura da 73ª Assembleia Mundial da Saúde, o presidente chinês Xi Jinping declarou que vai reforçar o apoio aos países mais afetados pela epidemia. Segundo o líder chinês, assim que a vacina contra o novo coronavírus, desenvolvida pela China, estiver concluída e aplicada, ela será disponibilizada como um produto público global. Isso visa contribuir para garantir a disponibilidade e acessibilidade de vacinas aos países em desenvolvimento.

(Autor: Moustapha Kassé, decano honorário da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Cheikh Anta Diop, Senegal; vencedor das medalhas nacional e da honra acadêmica)

Tradução: Zhao Yan

Edição: Diego Goulart    

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Beijing desinfeta mercados de produtos agrícolas para frear COVID-19
Turistas visitam cachoeira Huangguoshu em Guizhou
Pessoas doam sangue no Dia Mundial do Doador de Sangue
Cenário do parque Zishan na cidade Handan, província de Hebei
Comunidade de Suzhou oferece serviço de entrega de refeições para idosos
Cooperativa de chá ajuda famílias a superarem a pobreza em Hainan

Notícias

Equipa médica da China ajuda combate à epidemia em São Tomé e Príncipe, diz Embaixador chinês
Emissão de títulos especiais do governo da China terá impacto limitado na liquidez, dizem analistas
Fed: recuperação econômica dos EUA enfrenta grandes incertezas
Tendência de desenvolvimento global e cooperação China-África diante da pandemia
Uso de eletricidade aumenta em maio na China
China vê alta nos preços de carne suína