Comentário: Morte trágica de afro-americano expõe discriminação racial nos EUA

Fonte: CRI Published: 2020-05-30 21:49:41
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Devido à suspeita de uso de cédulas de dinheiro falso, no dia 25, na cidade de Minneapolis do estado de Minnesota, um homem afro-americano chamado de George Floyd, de 46 anos, foi imobilizado no chão por um policial branco, que ajoelhou sobre seu pescoço durante vários minutos, finalmente matando-o por asfixia. Os vídeos que gravaram o incidente foram divulgados pela internet e chocou o mundo inteiro.

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, publicou uma declaração pedindo às autoridades dos EUA para que tomem as ações necessárias para reprimir os assassinatos e levar à justiça os responsáveis por este crime.

Atualmente, os policias envolvidos já foram demitidos e estão sendo investigados, mas isso não acalmou a raiva do povo. Muitos manifestantes se reuniram em Minneapolis e tiveram conflitos ferozes com a polícia, causando tumultos violentos. Por outro lado, os protestos contra a discriminação racial também se expandiram para Nova York e outros lugares dos EUA.

Perante a situação que está prestes a ficar fora de controle, o presidente dos EUA, Donald Trump, postou no twitter alertando que a criação de tumultos são atos de bandidos, e que os militares têm permissão para disparar caso continuem a acontecer. Sua postura dura de repressão recebeu críticas dos internautas americanos.

Desde o início da pandemia do coronavírus, os políticos norte-americanos vêm culpando repetidamente a China e a Organização Mundial da Saúde (OMS) na tentativa de escapar de suas responsabilidades na resposta fraca ao surto.

A discriminação racial sempre foi um problema social que assola os Estados Unidos. Os afro-americanos contribuíram bastante para o desenvolvimento do país ao longo da história. No entanto, eles nunca foram realmente aceitos pela sociedade norte-americana, dominada por pessoas brancas. Hoje em dia, os grupos minoritários étnicos dos EUA que têm como representante os afro-americanos ainda sofrem muitos tratamentos injustos nas áreas da educação, emprego e outros aspectos da vida cotidiana. Os incidentes de aplicação da lei violenta ao grupo de afro-americanos ocorrem frequentemente em diversos lugares do país.

Atualmente, o antagonismo racial e a atmosfera de ódio estão se expandindo na sociedade estadunidense, acompanhado do acúmulos de insatisfação e ressentimento dos grupos vulneráveis. Os grupos minoritários que têm sofrido discriminação também são as pessoas mais afetadas pela epidemia de COVID-19 devido aos tratamentos injustos.

Tradução: Zhao Yan

Edição: Erasto Santos Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Shantou: uma cidade diversa, rica em história
Xiamen, um jardim sobre o mar
Belo dia de sol em Beijing
Shenzhen: uma cidade moderna, energética, internacionalizada e de moda
Idosos praticam aeróbica tradicional no parque Templo do Céu em Beijing
Próspera indústria de plantação de pêras em Xinjiang

Notícias

Emissão de títulos da China chega a US$ 680 bilhões em julho
Aldeia na região montanhosa de Chongqing está mais acessível e tecnológica
72% dos ingressos do Festival Internacional de Cinema de Beijing são vendidos em 10 minutos
​Começa construção do CMG Copyright Trade Center em Shanghai
Xi Jinping: PCCh sempre terá sucesso se governar para o povo
Mianmar inicia 4ª reunião da Conferência de Paz de Panglong do Século 21