Comentário: Quem conduz Taiwan a um caminho perigoso?

Published: 2018-10-22 19:55:35
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O vice-presidente norte-americano, Mike Pence, divulgou no início de outubro um artigo criticando a China por “interferir as eleições dos EUA”, “perturbar a ordem internacional” e “ameaçar a estabilidade do Estreito de Taiwan”. As Forças Armadas norte-americanas também mostraram várias vezes suas intenções provocativas na questão relacionadas a ilha. As ações dos EUA vêm afetando suas relações com a China.

A administração norte-americana começou a focar na questão de Taiwan com a intenção de abrir um novo campo de luta com a China e desviar a atenção do público dos conflitos internos. As eleições intercalares dos EUA estão chegando. A situação política complicada do país vem causando preocupação na administração norte-americana.  

Perante os escândalos como a interferência russa nas eleições presidenciais, o reconhecimento da culpa, neste caso por Paul Manafort, chefe da equipe de candidatura de Donald Trump, assim como a suspeição da existência de espiões na Casa Branca, os EUA alegaram várias vezes que a China interferiu nas eleições norte-americanas. O objetivo é virar a situação difícil das eleições e escapar das próprias responsabilidades.

As ações norte-americanas contra a China não são isoladas, mas enraizadas em sua “estratégia na região Ásia-Pacífico”. Conforme reportou o veículo de novas mídias norte-americano, Axios, o governo do país está premeditando um plano anti-China de grande escala. As medidas incluem a crítica à China por “interferências nas eleições norte-americanas”. A revista Política Externa (Foreign Policy) revelou que as Forças Armadas dos EUA vão canalizar US$700 bilhões na transformação estratégica com a China.

Atualmente, a política norte-americana sobre o país asiático já se tornou da tática dupla de “contato e controle” para “concorrência em todos os aspectos”. As medidas norte-americanas já se estenderam ao controle político, restrição por regulamentos, contenção diplomática, alta pressão econômica e ameaças militares.

Vale notar que a situação política no Estreito de Taiwan não está tensa atualmente. A recente tese de Pence sobre Taiwan, assim como o plano de exercícios militares norte-americanos no Mar do Sul da China, Estreito de Taiwan e Pacífico, teve o objetivo de provocar a China e sondar seu limite. A administração de Trump espera que a China reaja inapropriadamente. Assim, os EUA conseguirão mais vantagens em seus jogos com a China.

Depois que Trump tomou posse, ele já retificou duas vendas de armas a Taiwan. Porém, apesar do afeto mostrado pelas autoridades norte-americanas com a ilha, a intenção é só priorizar os interesses dos EUA. O que mais preocupa a administração norte-americana são seus ganhos nas relações com Taiwan, ao invés de sua amizade com a região.

Tudo isso revela que o pensamento dos EUA é tomar Taiwan como uma parte de seus “negócios” com a China, ao invés de ser uma aliança real dela.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Fonte termal em forma de panela de fondue atrai turistas em Chongqing
Festival de Chocolate de Perugia, na Itália
Iluminação temática da primeira CIIE entra na fase final de testes
Tradição e modernidade em Suzhou
A beleza do outono em Longnan
Primeiro táxi aéreo autônomo chega à Nova Zelândia

Notícias

Chancelaria chinesa enfatiza benefício recíproco das cooperações com América Latina
Festa Chong Yang no Rio de Janeiro celebra o respeito chinês aos idosos
Macau está pronta para operação da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau
Reunião da Comissão Mista Macau-Portugal coloca colaboração bilateral em perspectiva
Exposição de Produtos e Serviços dos Países de Língua Portuguesa é encerrada em Macau
Comentário: suspeitas não fazem bem à relação China-EUA