Comentário: reler o artigo de Thomas Friedman escrito há dez anos

Published: 2018-10-16 18:12:37
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

 

Comentário: reler o artigo de Thomas Friedman escrito há dez anos

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, fez recentemente um discurso cheio de acusações imprudentes sobre as políticas internas e externas da China, que nos lembram do comentário “Os Sete Anos Bíblicos” do escritor norte-americano, Thomas Friedman, publicado no jornal The New York Times em 2008.

Ele assim escreveu no comentário: enquanto estava sentado no meu lugar no Ninho do Pássaro, assistindo milhares de dançarinos chineses, bateristas, cantores e acrobatas realizarem sua mágica nas palafitas na cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos, não pude deixar de refletir sobre como a China e os EUA passaram os últimos sete anos: a China está se preparando para as Olimpíadas; nos preparamos para a Al Qaeda. Eles têm construído melhores estádios, metrôs, aeroportos, estradas e parques. E nós temos construído melhores detectores de metal, Humvees blindados e drones.

“Sete anos ... Sete anos ... Ah, isso mesmo. A China foi premiada com estes Jogos Olímpicos em 13 de julho de 2001 - apenas dois meses antes do 11 de setembro”, escreveu Friedman, apelando por mais construção de infraestruturas no seu país ao invés de estabelecer tropas no exterior.

Agora, dez anos passaram, a China está avançando no caminho de reforma e abertura e da “comunidade de destino comum da humanidade”. E os EUA ainda não pararam com seu comportamento destrutivo.

A administração de Barack Obama anunciou o fim das guerras no Afeganistão e no Iraque, mas atacou na Síria e na Líbia e arrastou 60% de seu navio de guerra ao Oceano Pacífico, trazendo ondas a este mar tranquilo.

E Donald Trump, presidente que ganhou seu lugar na Casa Branca esbravejando seu slogan “Tornar a América Grande Novamente”, não se importou com o bem-estar de toda a humanidade e se retirou de uma série de acordos internacionais, incluindo o Acordo de Parceria Trans-Pacífico, o Acordo de Paris e o Acordo Abrangente sobre a Questão Nuclear Iraniana. Tais ações geraram grandes oposições e condenações no âmbito global.

Mas o presidente Trump ainda está agindo de forma imprudente. A poucos dias atrás, ele acusou os chineses de roubarem US$ 500 bilhões dos americanos todos os anos, e disse que foram os EUA que construíram a China. Trump se queixou que “os chineses vivem bons dias por bastante tempo!”

Claro, há muitas coisas na China que fazem o líder norte-americano reclamar, como o ainda mais rápido desenvolvimento que a China tem hoje em dia.

Em 2008, entrou em funcionamento o primeiro trem-bala na parte continental chinesa, a linha interurbana Beijing-Tianjin. Atualmente, todas as províncias, exceto Tibete e Ningxia, têm acesso às linhas de trem-bala com uma velocidade de 200km até a máxima de 350km por hora. Olhando para os EUA, os projetos de infraestrutura no valor de US$1,5 trilhão, que Trump prometeu, não passam de planos no papel.

Em 2017, o número de pessoas pobres diminuiu na China, de 200 milhões em 2008 até 30 milhões atualmente. O governo chinês prometeu eliminar a pobreza em 2020. O desenvolvimento é o princípio absoluto. Não tenha inveja dos bons dias que os chineses vivem, arregace suas mangas e trabalhe. O povo chinês e o povo americano, ambos merecem viver uma vida feliz.

 

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Layanna Azevedo

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista das Grutas do Monte Tianti em Gansu
“Follow me to” captura beleza de Chongqing
China prepara para primeira Exposição Internacional de Importações
Fotos aéreas dos terraços de Longji
Exibição de arte realizada em homenagem aos 40 anos da reforma e abertura
Paisagens de outono em diferentes lugares da China

Notícias

Comentário: reler o artigo de Thomas Friedman escrito há dez anos
Rio de Janeiro acolhe "Noite de Beijing"
Xiaogang – Lugar representativo de reforma na área rural da China
​Premiês chinês e holandês concedem entrevista coletiva em Haia
Premiê chinês reitera maior abertura e cooperação pragmática com Holanda
Comentário: EUA fazem o mundo engolir sua “pílula venenosa” comercial