China persistirá em consultas mútuas na construção do Cinturão e Rota

Published: 2018-08-28 18:33:47
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

 

Este ano marca o 5º aniversário da iniciativa chinesa do Cinturão e Rota. O vice-diretor do gabinete da construção do Cinturão e Rota da China, Ning Jizhe, disse ontem (27) em Beijing que grandes êxitos foram registrados na construção da iniciativa nos últimos cinco anos. Perante novas circunstâncias, o governo chinês persistirá no princípio de consultas mútuas, construção conjunta e compartilhamentos comuns na construção do Cinturão e Rota.

A iniciativa recebeu uma participação ativa no âmbito global nos últimos cinco anos. A proposta e seus principais conceitos de consultas mútuas foram incluídos em documentos importantes de organizações internacionais, como a ONU. Até o momento, 103 países e organizações internacionais já assinaram 118 acordos cooperativos com a China sob o quadro do Cinturão e Rota. Até junho de 2018, o comércio de commodities entre a China e os países ao longo do Cinturão e Rota ultrapassou US$ 5 trilhões, e o investimento direto da China no exterior superou a marca de US$ 70 bilhões. Ning Jizhe disse que a iniciativa chinesa aumenta a complementaridade entre os países ao longo do Cinturão e Rota.

“A maioria dos países ao longo do Cinturão e Rota são países em desenvolvimento. Claro, há também países desenvolvidos e as economias emergentes. Todos eles possuem vantagens únicas, tais como capitais, técnicas, recursos humanos, grandes mercados, entre outras. A utilização de consultas mútuas para a construção do Cinturão e Rota ajuda a reunir as vantagens e a aumentar a complementaridade dos diversos países, para que todos sejam beneficiados pelas oportunidades de desenvolvimento.”

No atual contexto de crescentes incertezas, a economia mundial enfrenta muitos desafios e riscos. A construção do Cinturão e Rota encontrou também dúvidas e dificuldades. Alguns países apontaram um risco de dívidas dos projetos do Cinturão e Rota. O vice-ministro do Comércio da China, Qian Keming, disse que grande parte do investimento nos projetos foi destinada às infraestruturas, cujo período de retorno é relativamente longo.

“O período de retorno na construção de infraestruturas é relativamente longo, e muitas obras são bens públicos. A China acompanha com muita atenção o balanço entre promover o crescimento econômico e reduzir a carga dos países participantes dos projetos. Nós recomendamos os projetos de infraestrutura que trarão mais empregos, receitas fiscais e exportações.”

Ainda segundo Ning Jizhe, a China já assinou acordos cooperativos de terceiros, que é considerado um modo eficaz na cooperação internacional, com muitos países desenvolvidos - como França, Canadá, Japão e Cingapura.

“A cooperação de mercado de terceiros é um modo de cooperação internacional aberto, inclusivo e pragmático. A China está disposta a promover a cooperação de terceiros, apoiando as empresas chinesas e estrangeiras no investimento conjunto e na exploração de novos mercados.”

 

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Layanna Azevedo

 

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

China Post lança selos especiais com temática do Cinturão Econômico do Rio Yangtzé
Ronghua, um tipo de decoração de gancho de cabelo das mulheres da antiguidade da China
Cooperação China-África em infraestrutura
Beijing se prepara para receber próxima Cúpula do Fórum de Cooperação China-África
A beleza de África pela lente de vários fotógrafos
Gamescom 2018: Maior feira de games europeia

Notícias

China persistirá em consultas mútuas na construção do Cinturão e Rota
Beijing recebe seminário sobre riscos legais do investimento e comércio internacional
Estados Unidos e México fecham acordo comercial
Chanceler chinês aborda perspectiva das relações entre China e Grécia
Comentário: repetidas sanções dos EUA são traição à aliada UE
Centro China-Europa em Chengdu recebe pedidos de entrada de 39 países