Economista brasileira afirma que conflitos comerciais entre EUA e China prejudicam economia mundial

Fonte: CRI Published: 2018-03-30 17:52:26
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O presidente norte-americano, Donald Trump, assinou nos últimos dias um memorando, anunciando tarifas sobre uma vasta gama de mercadorias chinesas. Além disso, Trump promulgou medidas restritivas ao investimento, fusões e aquisições de empresas chinesas. A economista brasileira da Fundação Getúlio Vargas, Lia Pereira, afirmou que os conflitos comerciais entre os dois países desfavorecem o desenvolvimento da economia mundial. Segundo a economista, as fricções comerciais impactarão o sistema multilateral de comércio e a melhor solução para o conflito é através de negociações.

Se for desencadeada uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, as duas maiores economias do mundo, a situação será difícil de controlar. Isso prejudica não apenas a economia dos dois países, mas também desfavorece a recuperação da economia global. Lia Pereira considera irresponsáveis as ações do governo Trump, afirmando que se trata de um ultraje ao sistema comercial multilateral.

“Não há nada que interesse ao mundo nesse cenário de tensões comerciais. Além do que esse cenário de tensão, como Trump está se movendo, ele está deixando de lado toda a questão do sistema multilateral do comércio. E para países como o Brasil, que é um país, vamos dizer assim, médio, de soft power médio, não tem grande poder de barganha, a gente não tem um mercado mundial. É importante que o sistema multilateral funcione bem.”

Nas últimas cinco décadas, os Estados Unidos extraíram grandes benefícios recorrendo à “submissão econômica”. Porém, para Pereira, esta estratégia é irracional perante um rival tão forte como a China. Ela afirmou que a medida apenas intensificará as contradições já existentes.

“Esse tipo de forma, não é de solucionar o conflito. Essa é uma forma só de piorar esse conflito e desconsiderar todo o sistema que foi montado exatamente para tentar resolver problemas e disputas comerciais entre os países.”

Quanto às fricções sino-americanas, o premiê chinês, Li Keqiang, afirmou que os dois governos devem se manter racionais e resolver os problemas por meio de negociações e regulações comerciais. Ele se mostrou confiante em solucionar os conflitos através da sabedoria de ambos os lados. Pereira disse concordar com esta opinião. Segundo ela, todos os países que competem no mercado devem seguir as regras estabelecidas. As negociações são a melhor resolução para os conflitos atuais, enquanto as guerras comerciais causarão dano a todos.

“O sistema multilateral é importante para isso. Para coibir os países e saírem por aí fazendo o que podem. Então, eu não acho nada demais os Estados Unidos contestarem. Olha a China faz isso e faz aquilo, mas vai discutir isso no lugar apropriado, que é a OMC.”

Tradução: Joaquina Hou

Revisão: Layanna Azevedo

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Aldeões decoram paredes de casas em Jiangxi
Piscinas de peixes criam diferentes formas no Rio Hongshui
Caverna Shuanghe é declarada a mais longa na Ásia
Macaco com expressões faciais como humanas fica popular em redes sociais chinesas
Leopardos marinhos descansam no mar perto de Panjin
Sexta edição da Art Basel Hong Kong

Notícias

Economista brasileira afirma que conflitos comerciais entre EUA e China prejudicam economia mundial
China lança dois satélites do sistema de navegação Beidou
Economista afirma que reações positivas da China atenuam crise comercial mundial
Restos mortais de 20 soldados do Exército Voluntário do Povo Chinês são enterrados em Shenyang
Boao está se preparando para conferência 2018 do BFA
Banco de Agricultura da China abre sucursal em Macau