Comentário: Atos para desacreditar e instigar não impedirão amizade entre China e África

Published: 2020-06-16 14:47:00
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Atualmente, a epidemia do novo coronavírus (Covid-19) está se espalhando pela África. Segundo dados oficiais, até 14 de junho, 54 países do continente relataram 230.000 casos confirmados de infecção, além de mais de 6.200 mortes. O secretário-geral da ONU, António Gueterres, afirmou que a epidemia exacerbará a desigualdade que já existe há muito tempo, também tornará a fome, desnutrição e doenças mais vulneráveis. Milhões de pessoas podem cair na extrema pobreza. 

Como maior parceiro econômico da África, a China tem mantido um relacionamento amistoso de longo tempo com o continente, formando uma comunidade com interesses comuns e futuro compartilhado. Quando a China esteve no momento crucial do combate ao Covid-19, líderes de mais de 50 países africanos expressaram condolências e apoios. Quando a epidemia atingiu a África, a China forneceu imediatamente um grande número de suprimentos, bem como enviou grupos médicos para ajudar na luta contra a epidemia. 

Diante da amizade China-África e sua cooperação antiepidêmica, alguns políticos dos Estados Unidos sentem-se extremante desconfortáveis. Por alguns motivos escondidos, eles provocam frequentemente as relações amistosas entre China e África, exagerando a “armadilha de dívida” do continente e descreditando a iniciativa “Cinturão e Rota”. Porém, os fatos deram a melhor resposta. Nas últimas décadas, a China ajudou a África a construir mais de 10 mil quilômetros de rodovias, mais de seis mil quilômetros de ferrovias e um grande número de instalações públicas, como bibliotecas, escolas e hospitais. 

O presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki, disse que a China e a África são amigos, também companheiros de armas. “Nada pode mudar ou prejudicar as relações amistosas China-África”, salientou Faki. Em 2019, o volume do comércio bilateral ultrapassou US$200 bilhões e a China é  o maior parceiro comercial da África há 11 anos consecutivos. Os investimentos diretos da China no continente atingiram US$110 bilhões e mais de 3.700 empresas chinesas investiram e estabeleceram negócios no continente, oferecendo um forte impulso para o crescimento contínuo da economia africana. 

Quanto às relações sino-africanas, o povo africano tem o maior direito para falar. Os atos de desacreditar e instigar de algumas pessoas não impedirão o avanço do relacionamento China-África.

tradução: Shi Liang

revisão: Diego Goulart

 

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Pessoas doam sangue no Dia Mundial do Doador de Sangue
Cenário do parque Zishan na cidade Handan, província de Hebei
Comunidade de Suzhou oferece serviço de entrega de refeições para idosos
Cooperativa de chá ajuda famílias a superarem a pobreza em Hainan
Palácio Potala reabre ao público
Indústria de cosméticos cresce rápido e se destaca na vila de Daixi

Notícias

Comentário: Economia chinesa continua em recuperação
Estatística revela recuperação da economia chinesa em maio
Preços de suínos na China sobem no início de junho
Sempre filho da terra amarela
Interpretação do pensamento "o povo primeiro" de Xi Jinping
Documentário de coprodução China-França liga culturas