Comentário: Ao fabricar mentiras sobre algodão de Xinjiang, EUA não estão interessados nos direitos humanos, mas na hegemonia

Fonte: CRI Published: 2021-03-31 16:30:19
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Atualmente, está sendo encenada uma farsa dirigida pelos Estados Unidos e pelo Ocidente contra o algodão de Xinjiang . Algumas empresas europeias e estadunidenses afirmaram que não vão usar o produto chinês devido ao chamado "trabalho forçado", que é de fato uma nova manipulação estadunidense e do Ocidente, proveniente da sua “linha de montagem de rumores”.

As empresas que rejeitam o algodão de Xinjiang disseram que a decisão foi baseada no julgamento da organização da Suíça, "Iniciativa para um Algodão Melhor" (BCI, na sigla em inglês). Não é só uma organização não governamental, também uma entidade patrocinada pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, uma das principais agências de infiltração estadunidense no exterior. Não é difícil entender por que a organização ignorou a investigação apresentada por seu escritório em Shanghai, cuja conclusão foi: "não foi encontrado um único caso de 'trabalho forçado' em Xinjiang". A entidade optou por adotar o falso documento do think tank anti-China "Instituto Australiano de Política Estratégica " como base para seu relatório.

Na verdade, se olharmos para as mentiras sobre Xinjiang, inventadas pelos Estados Unidos e países ocidentais nos últimos anos, e as chamadas "sanções" impostas à China nesta base, podemos descobrir que a ligação do algodão de Xinjiang ao "trabalho forçado" continua sendo um produto de uma “linha de montagem de rumores”. Primeiro, estudiosos e think tanks financiados pelas forças anti-China fabricaram do nada os chamados relatórios relacionados a Xinjiang. Mas não importa quão errados os relatórios estejam, a BBC e outros veículos de imprensa ocidentais os citam e os divulgam, e depois as organizações anti-China os alimentam, e os políticos os usam como motivo para pressionar por sanções contra a China.

Obviamente, o fato de que os países ocidentais estão ignorando deliberadamente é que a produção de algodão em Xinjiang já é altamente mecanizada há muito tempo e não requer grande número de colhedores de algodão. Os dados mostram que a taxa de colheita mecânica do algodão em Xinjiang atingiu 70%, em 2020, e o local já entrou na era "Internet +", ou seja, os agricultores já podem comprar serviços de colheita de máquinas através de um aplicativo no celular, sem sair de casa. Ou esses rumores quer dizer que Xinjiang forçou as máquinas a trabalhar?

A indústria do algodão, indústria pilar de Xinjiang, deesempenhou um papel crucial na melhoria da vida da população local e se tornou uma importante fonte de renda para os cidadãos da etnia Uigur. É por essa razão que os trabalhadores de algodão de Xinjiang, em uma recente entrevista coletiva, disseram com raiva que os países ocidentais lançaram um boicote à indústria têxtil de algodão em Xinjiang, sem ao menos visitar a região, já que a tentativa real é esmagar o trabalho dos agricultores de algodão de Xinjiang.

Como todos sabem, a região era uma área muito atingida por ataques terroristas e violência na China. Graças às políticas eficazes do governo chinês, Xinjiang não sofreu um único incidente de violência nos últimos quatro anos, e alcançou conquistas sem precedentes no desenvolvimento socioeconômico local e na melhoria da vida das pessoas. Em 2020, a região conseguiu a eliminação histórica da pobreza absoluta e um crescimento do PIB de 3,4%, 1,1 ponto percentual maior do que o país todo.

No entanto, as forças anti-China no Ocidente, que temem o desenvolvimento da China, não podem mais se conter. Eles pretendem prejudicar as oportunidades de desenvolvimento e emprego das pessoas da etnia Uigur e as conquistas antiterroristas em Xinjiang, e continuar a criar desafios de segurança para o desenvolvimento da China.

Obviamente, a essência das questões sobre Xinjiang não está relacionada com os direitos humanos. Aqueles políticos estadunidenses e ocidentais que têm os olhos no algodão de Xinjiang não estão preocupados com os direitos humanos, mas sim com sua própria hegemonia.

A China não é mais o país de 100 anos atrás. Recentemente, em resposta às chamadas sanções baseadas em mentiras contra o país, a China anunciou sanções contra os Estados Unidos, Reino Unido, Europa e Canadá. Os políticos estadunidenses e ocidentais não devem subestimar a determinação da China em salvaguardar a soberania, a segurança e os interesses do desenvolvimento da nação.

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Fotos aéreas mostram um campo de flores de colza na cidade de Zunyi
Museu de Xinjiang restaurou mais de 100 valiosos objetos antigos
Paisagem de primavera em Chengdu
Mais artefatos descobertos nas escavações arqueológicas de Sanxingdui
Flores de azaleia colorem paisagens em montanhas de Bijie, da província de Guizhou
Primeira livraria de concreto impresso em 3D inaugurada em Shanghai

Notícias

China lança novo satélite de observação da Terra para espaço
Telescópio chinês FAST será oficialmente aberto a astrônomos globais
PMI manufatureiro da China chega a 51,9 em março
Comentário: Ao fabricar mentiras sobre algodão de Xinjiang, EUA não estão interessados nos direitos humanos, mas na hegemonia
Maior túnel rodoviário subaquático da China deve ser concluído
EUA ainda estão em situação perigosa de surto de Covid-19, alertou Fauci