Comentário: Alguns políticos estadunidenses são a maior ameaça para a paz mundial

Fonte: CRI Published: 2020-07-16 21:16:20
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Diás atrás, o Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Robert O'Brien, difamou e atacou maliciosamente o sistema político chinês, alegando que o Partido em poder da China constitui uma grande ameaça para os EUA e seus aliados. Para as pessoas sensatas, essas palavras não passam de mais um truque da Casa Branca para desviar a atenção dos conflitos nacionais e defender interesses políticos.

Alguns políticos estadunidenses enlouqueceram, repetindo incansavelmente expressões de calúnia contra a China. A razão aparente é fugir da responsabilidade. Atualmente, os EUA enfrentam dificuldades duplas de controle epidêmico e desenvolvimento econômico. Também estão com problemas de discriminação racial e diferença entre ricos e pobres. Estes políticos, que não conseguem apresentar soluções para esses problemas, procuram a China como um bode expiatório a fim de se absterem da negligência e abandono do dever.

A razão mais profunda consiste no medo oculto nos corações de alguns políticos estadunidenses. Eles acham que seu país é o dominante absoluto do mundo e dificultam o desenvolvimento dos demais. Sob um pensamento antigo de competição de soma-zero, não aceitam o progresso da China e a mudança do mundo.

É de notar que a China se transformou de um país super populoso fechado e atrasado à segunda maior economia do mundo, não por causa da graça ou caridade dos EUA, mas sim da política de reforma e abertura, das relações de benefício recíproco com todos os países e dos esforços do trabalho do povo chinês. No passado, as cooperações entre a China e os EUA trouxeram benefícios para ambos os lados. Os produtos da China facilitaram a vida das pessoas nos EUA. O mercado chinês forneceu grande espaço de desenvolvimento para as empresas norte-americanas. A China não tem intenção de substituir os EUA. O desenvolvimento do país visa melhorar a vida do seu próprio povo e contribuir para a paz e estabilidade do mundo. A China sempre prefere tratar a divergência com os EUA por meio do diálogo construtivo. Nas relações exteriores, a China insiste no princípio de não-interferência dos assuntos internos de outros países, mas ao mesmo tempo está sempre determinada na salvaguarda dos direitos e interesses de desenvolvimento.

Atualmente, as relações sino-estadunidenses estão no momento mais difícil desde o estabelecimento das relações diplomáticas. As mídias mundiais estão preocupadas de que uma nova guerra fria aconteça entre a China e os EUA, causando impacto a todo o mundo. Essas preocupações são causadas por pessoas como Robert O'Brien, que obstruem inescrupulosamente o relacionamento bilateral, destruindo constantemente as bases de confiança política mútua entre os dois países. Estes políticos estão se tornando criminosos históricos que minam a cooperação sino-norte-americana e também uma enorme ameaça para o mundo de hoje.

Tradução: Florbela Guo

Revisão: Erasto Santos Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Moradores evacuados e levados para abrigo temporário no distrito de Zhoutou, província de Anhui
Polícia armada participa de operações de controle de enchentes em Jiangxi
Pessoas se divertem em parque aquático de Hebei
Trabalhadores alimentaram bebês antílopes na reserva de proteção do lago Zhuonai
Jiangxi eleva a resposta às inundações ao mais alto nível
Paisagem de verão da antiga vila Qingyan, na província de Guizhou

Notícias

Identificadas pelo menos seis cepas diferentes do novo coronavírus no Brasil
RAEHK opõe-se fortemente à assinatura da "Lei de Autonomia de Hong Kong"
Huawei diz que proibição britânica pode levar Reino Unido à pista lenta digital
Maioria dos estadunidenses opõem-se ao uso impróprio dos termos “vírus da China” e “gripe Kung Fu”
Governo americano revoga regra controversa sobre estudantes internacionais
Advertência dos EUA sobre cadeia de suprimentos de Xinjiang é distorção