Comentário: EUA sonha ameaçar a China com a Lei de Autonomia de Hong Kong

Fonte: CRI Published: 2020-07-15 21:17:39
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Recentemente, os EUA assinaram a chamada Lei de Autonomia de Hong Kong, a qual foi aprovada pelo Congresso, ignorando as representações solenes da parte chinesa. Essa medida norte-americana viola seriamente o direito internacional e as regras básicas do relacionamento internacional, sendo também uma interferência grosseira nos assuntos de Hong Kong que são assuntos internos da China.

Com o lançamento da Lei sobre a Salvaguarda da Segurança Nacional em Hong Kong, foi eliminada a sombra que atingiu Hong Kong desde junho do ano passado. No entanto, alguns políticos estadunidenses não querem ver a tranquilidade na cidade. De 1984 a 2014, o Congresso dos EUA publicou mais de 60 projetos de lei em relação a Hong Kong. A nova Lei de Autonomia de Hong Kong viola abertamente os direitos humanos e interesses da população de Hong Kong, revelando completamente a intenção sinistra de trazer a desordem para Hong Kong e conter a China.

OS EUA declararam que vão sancionar indivíduos e entidades financeiras que prejudicam a autonomia de Hong Kong. Na Carta da ONU, estipulam-se “igualdade de soberania” e “não interferência nos assuntos sob a jurisdição de qualquer país". Porém, as sanções dos EUA violam as leis internacionais e as regras básicas de relacionamento.

Qualquer país no mundo tem o direito legislativo que inclui a legislação da segurança nacional. Os EUA possuem mais de 20 leis como essas. Que direito os EUA têm de interferir na legislação chinesa para salvaguardar sua própria segurança? Após o lançamento da Lei sobre a Salvaguarda da Segurança Nacional em Hong Kong, o princípio de “Um País, Dois Sistemas” não mudará, também não mudarão o capitalismo, o alto grau de autonomia, o sistema legal, os direitos administrativo e legislativo e os poderes judicial e adjudicação final na região.

Em oito dias após a aprovação da lei de segurança nacional, foram coletadas assinaturas de apoio de 3 milhões de cidadãos de Hong Kong, refletindo a opinião pública que anseia pela estabilidade e segurança e pela administração da lei. Na 44ª reunião do Conselho das Nações Unidas sobre Direitos Humanos, mais de 70 países apoiaram a Lei.

Qualquer sanção é uma espada de dois gumes. Atualmente, há 85 mil cidadãos, 1.300 empresas e cerca de 300 sedes regionais e 400 escritórios regionais dos EUA em Hong Kong. Nos últimos dez anos, o superávit comercial que os EUA alcançaram em Hong Kong foi o maior dentre todos os parceiros comerciais. As sanções impostas à China serão obviamente uma jogada estúpida que, ao final, prejudicará somente os EUA.

Tradução: Florbela Guo

Revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Pessoas se divertem em parque aquático de Hebei
Trabalhadores alimentaram bebês antílopes na reserva de proteção do lago Zhuonai
Jiangxi eleva a resposta às inundações ao mais alto nível
Paisagem de verão da antiga vila Qingyan, na província de Guizhou
Termina o exame vestibular nacional em algumas partes da China
Cenário do deserto de Tengger na Mongólia Interior

Notícias

Governo americano revoga regra controversa sobre estudantes internacionais
Advertência dos EUA sobre cadeia de suprimentos de Xinjiang é distorção
Uma equipe de investigação epidemiológica em Beijing
Trump aparece pela primeira vez em público usando máscara
Voluntários do Kuwait limpam praias em meio à pandemia de COVID-19
EUA: Cerca de 40% das infecções por COVID-19 são assintomáticas