Comentário: Políticos estadunidenses pretendem monopolizar vacina do novo coronavírus

Fonte: CRI Published: 2020-05-16 21:33:57
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Nas vésperas da 73ª Conferência Mundial da Saúde, mais de 140 líderes e especialistas, incluindo o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, o primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, e o ex-premiê britânico, Gordon Brown, publicaram uma carta aberta conjunta, apelando para que as vacinas do novo coronavírus, depois de serem desenvolvidas, sejam distribuídas gratuitamente ao mundo para não abandonar os países pobres.

A carta foi emitida por que um alto funcionário da gigante médica francesa, Sanofi, havia revelado que as vacinas serão usadas prioritariamente nos EUA pelo fato do país ter fornecido mais fundos de pesquisa e desenvolvimento. A empresa encontrou grande pressão do governo francês e da comunidade internacional por essa postura e acabou dizendo que os EUA só têm prioridade para as vacinas produzidas em seu território, mas as produzidas na Europa não serão fornecidas primeiro aos EUA.

De fato, o governo estadunidense fez todo o tipo de truques abertos e secretos para conseguir as vacinas. Ainda em março, mídias revelaram que o governo dos EUA tentou comprar a tecnologia de desenvolvimento de vacinas de uma empresa de biotecnologia alemã por US$ 1 bilhão para que as vacinas só fossem usadas por eles. O país foi criticado pelo mundo. Os círculos políticos alemães denunciaram a intenção dos EUA dizendo que "mostraram a face feia de Washington ao mundo".

O mais suspeito é que na sexta-feira (16), o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que o país já teria começado a pesquisa da vacina em 11 de janeiro e possivelmente poderá ser usada no final deste ano. A data de 11 de janeiro é dois meses anterior ao surto da epidemia nos EUA, como o próprio país declarou. Será que estavam procurando dominar o mercado global de vacinas e deixaram de lado a prevenção e controle da epidemia?

No entanto, em uma recente conferência internacional de compromissos de doação iniciada pela UE, todas as partes doaram um total de 7,4 bilhões de euros para promover a pesquisa e desenvolvimento, a produção e a distribuição equitativa de vacinas, mas os EUA não doaram nenhum centavo nesse evento.

A fim de vencer a pandemia o mais cedo possível, a OMS e seus parceiro de todo o mundo lançaram uma iniciativa de cooperação internacional no final de abril para acelerar a pesquisa, a produção e a distribuição justa das vacinas e de ferramentas de diagnóstico e tratamento. A iniciativa recebeu uma resposta ampla. A China e o Canadá também declararam recentemente que cooperarão na pesquisa das vacinas. A carta aberta dos líderes e especialistas sublinha que todos os governos devem se unir criando em conjunto uma medida de garantia global para que as vacinas sejam produzidas em grande escala e distribuídas gratuitamente a todos os países e todas as pessoas, uma vez que sejam desenvolvidas.

Diante dessa grande crise pública global, alguns políticos mostram sua ganância e egoísmo à comunidade internacional, o que por fim os levará ao auto-bloqueio, causando severas consequências para eles mesmos.

Tradução: Florbela Guo

Revisão: Erasto Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Oficinas de redução da pobreza fornecem empregos a residentes realocados em Guangxi
Mar de flores na província de Jiangsu
Paisagem do Monte Qomolangma
Trabalhadores de empresas de produtos culturais e criativos aumentam a produção
Zona sul da Biblioteca Nacional da China reabriu ao público
Trem de carga China-Europa envia suprimentos médicos a Belgrado

Notícias

Xi Jinping pede a construção da comunidade global de saúde integrada
Wuhan diz que testes de ácido nucleico serão gratuitos
Xi Jinping presta atenção à divulgação da cultura da nação chinesa
10ª reunião da Comissão Permanente do 13º Comitê Nacional da CCPPCh é inagurada em Beijing
Brasil relata mais de 240 mil casos confirmados de COVID-19
Brasil relata mais de 230 mil casos de COVID-19