Comentário: ações dos EUA prejudicam cooperação internacional no controle da epidemia

Published: 2020-02-05 17:43:16
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A China está numa corrida contra o tempo para controlar a epidemia causada pelo novo coronavírus. O trabalho chinês recebe apoios e assistências contínuos da comunidade internacional. No entanto, como o país mais avançado no setor de saúde do globo, os EUA, sem oferecer até agora nenhuma ajuda à China, foram o primeiro a retirar os funcionários do seu Consulado em Wuhan e parte dos diplomatas da sua embaixada na China. Além disso, Washington foi também o primeiro a anunciar medidas abrangentes de restrição contra a entrada de cidadãos chineses no seu território, causando pânico no mundo inteiro e estabelecendo um mau exemplo.

Essas são reações exageradas dos EUA diante da epidemia, contrariando as sugestões da Organização Mundial de Saúde (OMS), e se tratando de um prejuízo à cooperação internacional no controle da epidemia que recebeu plenas críticas.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, elogiou os esforços da China no combate ao surto, que estabeleceram “novos exemplos para diversos países na prevenção de epidemia”. A Organização deu sete sugestões sobre o assunto, uma das quais é evitar tomar restrições turísticas e comerciais desnecessárias.

No entanto, os EUA classificaram a China na categoria de “países de guerra”, elevando o alerta de viagem ao país asiático para o máximo nível. Isso não corresponde às sugestões da OMS, causando não só pânico no mundo, mas também efeitos negativos. Uma ação irresponsável para os esforços globais na luta contra a epidemia.

De fato, as reações de Washington ao surto do novo coronavírus refletem sua política externa. Sob os princípios de “novo isolamento” e “America First”, Washington está se afastando das cooperações internacionais baseadas nas regras, estabelecendo obstáculos na atual cooperação internacional de combate à epidemia.

O vírus transmite sem fronteiras. A vitória da atual luta contra o novo coronavírus necessita de esforços conjuntos de todos os países. O site estadunidense Buzzfeed disse, citando especialistas do país, que as restrições turísticas causarão efeitos contrários no controle epidêmico, dificultaram a chegada de recursos às regiões afetadas, e provocaram assim impactos econômicos negativos.

Mas o reconfortante é que organizações internacionais, desde a ONU, o Banco Mundial, até o FMI, reconheceram os esforços da China. Diversos países do mundo, incluindo Coreia do Sul, Japão, Irã, Rússia, Reino Unido, França, Emirados Árabes Unidos e Quênia, ofereceram assistência de material ou apoios à China. Por meio de ações práticas, a comunidade internacional expressou seu reconhecimento ao trabalho do país na luta contra a epidemia. Isso favorece ainda mais a mobilidade dos recursos globais e reforça a cooperação internacional.

A China não está sozinha no combate ao vírus. Apoios, confianças e cooperações de diversos lugares do mundo irão ajudar a China a vencer essa luta. Os EUA devem perceber que, na era de globalização, ajudar os outros é realmente ajudar a si mesmo.


Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Diego Goulart


Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Hospital Huoshenshan começou a receber pacientes infectados com coronavírus
Funcionários produzem equipamentos de proteção para ajudar no combate ao novo coronavírus
Construção do hospital Huoshenshan completada
Como passar a Festa da Primavera?
Cerca de 400 cisnes voaram recentemente para o rio Peacock em Korla
Clientes fazem as compras para o Ano Novo Chinês em Nanning

Notícias

Comentário: ações dos EUA prejudicam cooperação internacional no controle da epidemia
Mais equipes médicas chinesas são enviadas para ajudar no controle da epidemia em Hubei
Pacientes recuperados do coronavírus na China permanecem no hospital de 5 a 20 dias
​China registra 262 altas hospitalares na terça-feira
China importa US$ 117 milhões de suprimentos médicos para combater novo coronavírus
Chancelaria chinesa pede cooperação para enfrentar a epidemia