Embaixador do Brasil salienta confiança na cooperação econômica com China apesar da epidemia

Fonte: CRI Published: 2020-06-16 13:59:04
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

“Nós sentimos a mesma solidariedade do lado chinês. Tanto do governo como do povo ao longo das últimas semanas, um grande número de voos levaram equipamentos da China para o Brasil, e muitos mais estão previstos para as próximas semanas”, afirmou o embaixador do Brasil na China, Paulo Estivallet, na entrevista exclusiva para a China Media Grupo.

Na conversa, ele agradeceu o apoio oferecido pela China no combate ao Covid-19 no Brasil. Quando a China foi afetada pela primeira onda da pandemia do novo coronavírus, o governo e o povo brasileiros encorajaram e prestaram assistência ao governo e ao povo chinês. Quando a situação na China foi atenuada e o Brasil começou a enfrentar desafios severos, a China ofereceu solidariedade e apoio firme aos esforços brasileiros na luta contra o coronavírus. 

O diplomata brasileiro apresentou que existe a questão da troca de evidências, de opiniões e de conhecimento que vai sendo gerada ao longo do tempo no combate à epidemia. Para ele, as ações têm funcionado de maneira eficiente, mas ainda há muitas coisas que não se conhecem sobre a evolução da pandemia, o que poderá ser feito para superá-la, mas o país está satisfeito com a forma como tem funcionado a cooperação entre os dois governos. 

Desde o estabelecimento das relações diplomáticas, a China e o Brasil vêm sempre mantendo uma boa cooperação econômica, mas a epidemia do novo coronavírus exerceu um grande impacto ao comércio bilateral no início deste ano. 

Mesmo assim, o embaixador tem uma atitude positiva. Ele indicou que as cooperações Brasil-China, em algumas áreas, continua se desenvolvendo apesar da epidemia. O comércio de alimentos entre os dois países apresentou até mesmo crescimento nesse primeiro semestre, o que mostra o empenho dos dois países em manter esse comércio. Ambos contribuem um com o outro, porque esses alimentos são importantes para a China, assim como a importação pela China para a manutenção da atividade econômica é para o Brasil. 

“É claro que algumas partes do comércio foram prejudicadas, por exemplo, empresas brasileiras que dependem de cetros insumos industriais chineses tiveram queda de produção por falta de insumos no primeiro semestre, mas, aos poucos, isso vai se normalizando, e é importante que os dois países busquem soluções para estas questões”, salientou.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Turistas visitam cachoeira Huangguoshu em Guizhou
Pessoas doam sangue no Dia Mundial do Doador de Sangue
Cenário do parque Zishan na cidade Handan, província de Hebei
Comunidade de Suzhou oferece serviço de entrega de refeições para idosos
Cooperativa de chá ajuda famílias a superarem a pobreza em Hainan
Palácio Potala reabre ao público

Notícias

Uso de eletricidade aumenta em maio na China
China vê alta nos preços de carne suína
Casos da COVID-19 chegarão ao pico na Índia em meados de novembro, diz estudo
Comentário: Economia chinesa continua em recuperação
Estatística revela recuperação da economia chinesa em maio
Preços de suínos na China sobem no início de junho