OMS alerta para aumento de mortalidade atribuível ao cigarro na China
  2011-01-06 22:53:46  cri
A mortalidade relacionada ao tabagismo pode aumentar na China nas próximas décadas, se não forem adotadas medidas efetivas de controle de fumo no país, que conta com mais de 300 fumantes adultos, informou um funcionário da Organização Mundial da Saúde (OMS).

"Podemos ter certeza de que o índice de mortalidade aumentará sem parar durante décadas. O número de mortes relacionadas ao tabagismo apresenta tendência de crescimento", afirmou em entrevista exclusiva à Xinhua o diretor da iniciativa da OMS "Para Um Mundo Sem Tabaco", Douglas Bettcher. Segundo ele, a China provavelmente não conseguirá cumprir a meta de proibição de fumo em locais públicos dentro do prazo de cinco anos.

A China ratificou a Convenção-Quadro da OMS para o Controle do Tabaco em 2003, prometendo adotar medidas efetivas para refrear o uso do cigarro, incluindo leis de proibição do fumo, advertências explícitas sobre os efeitos prejudiciais do tabaco nos pacotes de cigarro e a proibição completa de qualquer tipo de anúncio, promoção e apoio financeiro da indústria tabagista.

O acordo entrou em vigor na China em 9 de janeiro de 2006.

"As leis de proibição do fumo devem ser aplicadas em todos os locais de trabalho em recinto fechado, como bares, restaurantes e hoteis", indicou Bettcher, que descreveu o índice de exposição ao fumo na China como "altíssimo".

Um relatório publicado hoje por um grupo de especialistas chineses e estrangeiros lamentou o progresso lento no controle do tabaco e criticou a interferência da indústria tabagista para retardar os esforços que visam cumprir as metas do governo.

Em nova estimativa divulgada no relatório "O Controle do Tabaco e o Futuro da China", o número de mortes relacionadas ao fumo no país vai aumentar para 3,5 milhões de pessoas por ano depois de 2030.

Atualmente, cerca de 1,2 milhão de chineses morrem a cada ano por doenças ligadas ao fumo.

(por Agência Xinhua)

Leia mais
Comentário