Defeito congênito e recorrente: Quando é que a virulência do racismo nos Estados Unidos pode ser erradicada?
Fonte: CMG Published: 2022-10-21 21:29:49

por Xi Pu (O autor é um observador de assuntos internacionais com sede em Beijing.)

Na 51ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas recém-realizada, um projeto de decisão sobre assuntos de Xinjiang entregue pelos Estados Unidos não foi adotado na votação. Falhou a tentativa dos EUA de conter a China usando Xinjiang.

Ao mesmo tempo, a reunião votou pela adoção de uma resolução anti-racismo intitulada “Da retórica à realidade: um apelo global por ações concretas contra o racismo,a discriminação racial, a xenofobia e a intolerância relacionada”, apresentada coletivamente pelos países africanos. É o segundo ano consecutivo em que o Conselho de Direitos Humanos aprova uma resolução anti-racismo após o incidente de “não conseguia respirar” de George Floyd, o homem afro-americano, em 2020. Trinta e dois países votaram a favor, enquanto nove países, liderados pelos Estados Unidos, votaram contra.

Por que os Estados Unidos, que se posicionam como “defensores dos direitos humanos”, votaram contra? Para os Estados Unidos, os “direitos humanos” são apenas uma ferramenta para conter outros países. Os EUA nunca prestam verdadeiramente atenção ao assunto, e a realidade doméstica disse tudo: recentemente,cinco policiais em Detroit mataram Porter Burks, um afro-americano de 20 anos com esquizofrenia, com 38 balas atiradas. Como sempre, o motivo alegado da polícia foi que o homem “constituiu uma ameaça” aos policiais presentes.

As minorias étnicas nos Estados Unidos são repetidamente submetidas à aplicação violenta da lei pela polícia, que está enraizada na discriminação racial sistêmica nos Estados Unidos. Vale ressaltar que, a discriminação racial é apenas uma das manifestações do racismo nos EUA. Embora os Estados Unidos sejam o maior país imigrante do mundo, o racismo nos Estados Unidos tem fatos históricos sólidos e realidade profundamente enraizada. Mesmo até agora,a questão nunca foi realmente resolvida.

Memória indelével da perseguição racial

Falando do racismo nos EUA,o que chega à nossa cabeça é a perseguição racial contra os índios nativos na América do Norte. Os governantes brancos dos Estados Unidos cometeram o genocídio contra os aborígenes através de massacres sangrentos, o que fez com que a população indiana caísse de 5 milhões no final do século XV para 250.000 no início do século XX. Os governantes também forçaram os aborígenes a deixar sua terra natal e se mudaram para os desertos no oeste do país, e forçaram, com base na eugenia racista, a esterilização de índias e com vistas ao extermínio dos aborígenes. No início da década de 1970, mais de 42% das mulheres índias em idade fértil foram esterilizadas.

Além de realizar o genocídio,as autoridades dos EUA ainda realizaram o extermínio espiritual dos índios. O governo dos EUA forçou a assimilação forçada dos índios, erradicou sua cultura e identidade tradicionais e colocou as crianças índias à força nos chamados “internatos”, apagando completamente sua marca indígena. Segundo estimativas de um estudioso americano, o número total de mortes em internatos pode chegar a 40.000, e “quase todos os internatos têm cemitérios”.

Segregação racial transformada

Com a 13ª Emenda à Constituição em 1865, a escravidão nos EUA foi abolida a nível legal, mas a segregação racial não desapareceu. Entre 1876 e 1965, os estados do sul e da fronteira dos EUA impuseram a segregação racial às pessoas de cor. Embora eram nominalmente “separados mas iguais”, mas na prática a discriminação existia em todos os lugares.

Hoje,a segregação racial ainda existe nos EUA em diferentes formas. De acordo com o New York Times, mais da metade dos estudantes americanos vive em comunidades etnicamente diferenciadas. Como resultado, a estrutura étnica dos alunos das escolas da região é também altamente diferenciada, ou mais de 75% são brancos ou mais de 75% são pessoas de cor. Isso reforça o preconceito dos brancos contra as pessoas de cor, e este estereótipo racial existe em departamentos de aplicação da lei dos EUA. Por exemplo, os agentes da lei tendem a considerar presumidamente determinadas raças como criminosos. Os relatórios mostram que os policiais nos Estados Unidos são mais propensos a parar os motoristas afro-americanos em patrulhas rodoviárias, e são eles que têm três vezes mais chances de serem revistados depois de serem parados do que os motoristas brancos.

Discriminação racial em todos os aspectos

Após o incidente “não conseguia respirar”, mencionado no início do artigo, o movimento anti-racismo “vidas negras importam” despertou grande atenção e repercussão nos EUA. Mas hoje, afro-americanos, americanos hispânicos e latinos e povos indígenas ainda enfrentam sérios desafios em termos de seus direitos à vida, saúde e desenvolvimento. Seja habitação, educação, saúde, emprego, crédito ou mídia, todos os aspectos da sociedade americana alimentam o racismo, que por sua vez contribui para a permanência das diferenças hierárquicas entre as raças da sociedade americana em vários setores.

As minorias étnicas têm sofrido a discriminação racial sistêmica nos EUA, e quando a COVID-19 atingiu o país, o ódio racial na sociedade americana as trouxeram ainda mais dolorosas. De acordo com um relatório, em 2021,a taxa de crimes de ódio nos EUA aumentou 21% em comparação com ano passado, e o número de vítimas é de 8.896, o maior número de vítimas desde o “Incidente 911” em 2001. No primeiro semestre de 2022, porém, os crimes de ódio contra afro-americanos, judeus e latinos ainda estavam em crescimento. O ano de 2022 será o quarto ano de crescimento contínuo da taxa de crimes de ódio nos EUA.

Os fatos já provaram que o mito de os EUA serem o “caldeirão das etnias do mundo” está sendo quebrado,ou por assim dizer,nunca existiu. Ao contrário, a trama do “pesadelo das minorias étnicas” é encenada todos os dias nos EUA. Ao se proclamarem como um exemplo global na área dos direitos humanos, os EUA deveriam abandonar completamente a prática de duplo padrão e examinar cuidadosamente sua própria doença. Só naquele altural é que as minorias étnicas nos EUA possam realmente ver a luz ao fundo do túnel.