Chanceler chinês fala sobre auto-desenvolvimento da China e certezas de sua política relativa aos EUA
Fonte: XINHUA Published: 2022-09-22 13:47:10

O conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, se reuniu na segunda-feira com os representantes do Comitê Nacional sobre as Relações Estados Unidos-China, do Conselho Empresarial EUA-China, e da Câmara do Comércio dos Estados Unidos.

Wang disse que o mundo de hoje está longe da paz, já que a pandemia da COVID-19 ainda não terminou e a crise da Ucrânia foi novamente inflamada.

Considerando que a relação China-EUA está agora em baixa desde o estabelecimento de laços diplomáticos, muitas pessoas estão preocupadas que os dois países estejam entrando em uma nova Guerra Fria, disse ele.

Contra o declínio atual das certezas e o aumento das incertezas sobre as perspectivas dos laços China-EUA, Wang elucidou cinco "certezas" sobre a China:

Em primeiro lugar, as perspectivas do próprio desenvolvimento da China são certas, disse ele, observando que o próximo 20º Congresso Nacional do Partido Comunista da China planejará e formulará o próximo projeto de desenvolvimento e metas do país.

A economia chinesa possui volume e resiliência suficientes. No esforço da China para realizar a modernização, mais de 1,4 bilhão de pessoas estão se esforçando para a prosperidade comum, o que proporcionará mais oportunidades de mercado e desenvolvimento para países em todo o mundo, incluindo os Estados Unidos, apontou.

Em segundo lugar, a resolução da China na reforma e abertura se mantém certa, disse Wang, acrescentando que o país continuará aprofundando sua reforma, abrindo mais para o mundo, estabelecerá um novo sistema para a abertura de alto nível, construirá uma economia mundial aberta e promoverá ainda mais a globalização econômica.

Em terceiro lugar, a política da China em relação aos Estados Unidos estão certas, observou. Ambos têm sistemas diferentes, que são escolhidos por seus próprios povos, disse ele, acrescentando que os dois países não podem substituir nem derrotar um ao outro.

O presidente chinês, Xi Jinping, propôs três princípios de respeito mútuo, coexistência pacífica e cooperação mutuamente benéfica entre a China e os Estados Unidos, e o presidente dos EUA, Joe Biden, enfatizou repetidamente que seu país não busca uma nova Guerra Fria com a China e não pretende mudar o sistema chinês, que a revitalização de sua aliança não é direcionada à China, que os Estados Unidos não apoiam a "independência de Taiwan" e que não têm intenção de buscar um conflito com a China, Wang destacou.

A chave é que os Estados Unidos devem voltar a uma política racional e prática sobre a China o quanto antes, disse ele.

Em quarto lugar, a atitude da China de continuar a fortalecer a cooperação econômica e comercial entre os dois países é certa, apontou, acrescentando que a China acolhe as empresas dos EUA a se desenvolverem em território chinês e continuará a fornecer um ambiente de negócios orientado ao mercado, internacionalizado e legalizado.

Wang observou que a cooperação econômica e comercial bilateral deve fazer mais adição em vez de subtração, unir as mãos em vez de soltar as mãos um do outro e derrubar paredes em vez de erguer.

Para suas respectivas preocupações, ele acrescentou, os dois lados devem manter conversações em vez de se confrontar, negociar em vez de coagir um ao outro. Ele instou o lado americano que pare as sanções unilaterais que não estão em conformidade com o direito internacional, e pare de se envolver em pequenos grupos e grupos que excluem a China.

Em quinto lugar, a disposição da China em realizar uma coordenação multilateral com os Estados Unidos é certa, disse Wang. A história provou e continuará a provar que a cooperação China-EUA pode realizar muitas tarefas importantes que são benéficas para os dois países e para o mundo. Portanto, os dois lados devem defender a base política das relações bilaterais, particularmente cumprindo o princípio de Uma só China.