Alívio de pobreza por criação artística

Published: 2018-09-07 16:12:22
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Alívio de pobreza por criação artística

A criação artística e o alívio da pobreza parecem ser duas coisas separadas. Porém, na zona Pingnan da província de Fujian, a arte já se tornou um meio eficaz para ajudar as pessoas a se livrarem da pobreza. 


Jornalista: você gosta de pintar?

Entrevistado: sim.

Jornalista: o que gosta de desenhar?

Entrevistado: montanha.

Jornalista: quantos quatros pode produzir em um dia?

Entrevistado: quatro ou cinco no máximo. E às vezes, apenas dois ou três.


O diálogo entre o jornalista e o entrevistado Yang Fawang não foi fluente, porque o jovem é portador de deficiência física e mental. Mesmo não conseguindo expressar bem o que pensa, ele é reconhecido por outras pessoas através das suas pinturas. Junto a ele, muitas pessoas com condições economicamente difíceis pegam o pincel e criam sua própria felicidade.

Alívio de pobreza por criação artística

Na vila Shuangxi da comarca de Pingnan da província de Fujian, situa-se a cidade artística Antai. A arquitetura de 15 mil metros quadrados abriga uma galeria de mil metros quadrados, e um centro de educação artística de dois mil metros quadrados. Acrescentam-se a estes ainda 42 espaços artísticos independentes e 40 hotéis, o que faz do local uma base industrial para a criação artística. O responsável pelo projeto de alívio da pobreza por meio da criação artística, Zhang Zhengrong, apresentou a cidade artística Antai. 

“Criado em 20 de outubro de 2015, o Centro de Educação Artística Antai é uma entidade não lucrativa. O local atrai pessoas de todo o país, incluindo Hong Kong, Macau e Taiwan. Através da nossa educação artística, as pessoas que não sabem nada de desenho podem aprendê-lo num período curto. Tanto as aulas como os materiais de pintura são gratuitos. O custo será reembolsado com a venda das obras dos estudantes.”

Alívio de pobreza por criação artística

Como transformar as obras artísticas em valor de mercado é também um desafio enfrentado pelo Centro de Educação Artística Antai. O responsável pelo ensino, Lin Zhenglu, disse que eles encorajam os artistas agricultores a criarem perfis nas redes sociais.

“Ensinamos os estudantes a divulgarem suas obras nas redes sociais, como o Wechat. Com isso, a gente consegue estabelecer a plataforma de negócios.”

A existência do Centro de Educação Artística Antai possui um significado importante não apenas para o projeto de erradicação da pobreza, como também para o turismo da região. Yang Shuqing, executivo de Taiwan, é uma das muitas pessoas que vêm para o local estudar a pintura. 

“Trabalhei no e-commerce em Taiwan. Pedi à empresa um longo período de férias sem remuneração. Um amigo meu, ao saber que eu queria aprender a desenhar, me recomendou o local. E assim vim para cá. Acho que é uma boa maneira de me recuperar da pressão. Agora, desenhar é uma coisa fácil para mim.”

A arte faz também as pessoas se auto-conhecerem. Shen Minghui é portador de nanismo. Sem confiança, ele ganhou a vida vendendo balões na praça da vila. Foi a arte que ajudou o homem a ter uma vida com dignidade. 

“A sensação é completamente diferente. Agora, tenho o respeito dos outros. No passado, as pessoas achavam que eu precisava de ajuda, e hoje, elas me procuram para se comunicarem comigo, trocando ideias. É definitivamente diferente.”

Shen Minghui disse que ele gosta mais de desenhar a “árvore da vida”. Apesar de não ter finanças suficientes, ele insistiu em guardar a maioria das obras, ao invés de vendê-las. A pintura lhe traz interesses materiais, e mais do que isso, a dignidade, entendeu o homem. Ele espera que um dia possa realizar uma exposição própria, para mostrar às pessoas o mundo dos seus sonhos. 

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Mar de flores de Luoping, na província de Yunnan
Semana de Moda em Nova York
Museu de Go (Weiqi) em Luoyang
Laboratório Conjunto de Clima Espacial Brasil-China
Museu Nacional exibe 120 relíquias culturais de Shaanxi
Cenário noturno na rua Xibu de cidade Zhangjiajie, na província de Hunan

Notícias

Fundo China-África traz investimentos a países do continente africano
Japão sofre perdas com terremoto de 6.7 graus em Hokkaido
Ministro cabo-verdiano afirma que país espera participar da iniciativa Cinturão e Rota
China caminha para se enquadrar como um país inovador até 2020
Terremoto de magnitude 6,7 ocorre em Hokkaido, no Japão
Dois documentos de consenso são anunciados no Fórum de Cooperação China-África