Posição e Papel da Guerra de Resistência do Povo Chinês à Agressão Japonesa na Segunda Guerra Mundial

Published: 2020-07-17 09:54:43
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

China foi um dos primeiros países a lutar contra a invasão fascista, abrindo o primeiro campo de batalha antifascista do mundo.

A Segunda Guerra Mundial foi provocada por países fascistas. Os regimes fascistas adotavam a autocracia cruel dentro dos próprios países e promoviam invasões e expansões dolosas ao exterior. Nas décadas de 1920 e 1930, as forças fascistas tomaram o poder na Itália, Japão e Alemanha e lançaram guerras de invasão a outros países, na tentativa de dominar o mundo e escravizar a humanidade.

Em 1931, as forças fascistas japonesas provocaram o "Incidente de 18 de Setembro", no qual deram início à agressão na China. O episódio também marcou o começo da Segunda Guerra Mundial. A China inaugurou, então, a guerra contra a invasão japonesa, se tornando o primeiro país do mundo a tomar parte na luta antifascista.

Em 1937, o Japão estendeu suas batalhas por toda a China com o premeditado "Incidente de 7 de Julho", em busca de conquistar o país vizinho em curto espaço de tempo. A China, entretanto, implementou a estratégia de "guerra duradoura". Em repúdio à invasão japonesa, os chineses criaram uma frente unida com base na cooperação entre o Partido Comunista da China (PCCh) e o Partido Kuomintang (KMT). Daí se formaram dois campos de batalha na China, nomeadamente o frontal, liderado pelo KMT, e o atrás da linha das forças japonesas, organizado pelo PCCh. Os chineses combateram coordenadamente nas duas frentes. Com a resistência nos dois campos de batalha na China, os invasores japoneses não tiveram outra opção exceto desistir da meta de "concluir a guerra rapidamente".

No processo de guerra contra a agressão japonesa, a China sempre foi o principal campo de batalha de resistência às principais forças do exército japonês.

O chefe do Estado Maior das Forças Armadas do Japão, Sugiyama Hajime, ostentou que a guerra na China poderia terminar em apenas um mês. A resistência determinada dos chineses, porém, derrotou a perspectiva dos invasores. O Japão continuou então a acrescentar tropas na China.

O combate coordenado entre o front e atrás das linhas dos inimigos conteve as principais forças do exército do Japão. Até o início da Guerra do Pacífico, 35 das 51 divisões do exército japonês estavam na China. Até o final da guerra, o número de militares japoneses no campo de batalha chinês foi muito maior do que os no Pacífico. Os fatos evidenciaram que a China foi precisamente o maior e mais importante campo de batalha da Ásia.

A guerra do povo chinês contra a agressão japonesa restringiu efetivamente a estratégia global do Japão e apoiou o combate dos Aliados.

O então líder chinês Mao Zedong apontou que a guerra de resistência à invasão japonesa não foi apenas concernente ao próprio país e ao Oriente, mas também ao mundo. "Nossos inimigos foram de escala mundial e o combate da China também foi no nível mundial", disse o dirigente.

Na guerra antifascista, os países sempre se apoiam reciprocamente. A guerra duradoura da China conteve decisivamente as estratégias japonesas de avanço respectivamente ao norte, sul e oeste. Também conteve a estratégia japonesa de fazer aliança com outros países. O apoio da China ao combate de outros países mostrou que o país não foi apenas o campo de batalha principal da Ásia durante a Segunda Guerra Mundial, mas também um dos principais de todo o mundo.

A China também dedicou imenso esforço para promover a aliança entre os países antifascistas e participou ativamente na reconstrução da ordem internacional pós-guerra.

Em outubro de 1943, a China, junto com os EUA, Reino Unido e União Soviética, assinou a Declaração de Quatro Países sobre a Segurança Geral, em que convocou a pronta criação de uma organização internacional abrangente. Em dezembro de 1943, a China, EUA e Reino Unido divulgaram a Declaração do Cairo, anunciando a decisão de continuar a guerra até que o Japão se rendesse incondicionalmente. Em fevereiro de 1945, líderes dos EUA, Reino Unido e União Soviética se reuniram em Yalta, agora na Rússia. Eles definiram os princípios do estabelecimento da Organização das Nações Unidas (ONU) e concordaram que os três países, junto com a China e a França, seriam os países membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

No dia 26 de julho de 1945, a China, EUA e Reino Unido divulgaram a Proclamação de Definição dos Termos da Rendição Japonesa, também conhecida como a Declaração de Potsdam. O documento refletiu a determinação de lutar contra o Japão até a rendição do país e promulgou que a soberania japonesa se limitasse a Honshu, Hokkaido, Kyushu, Shikoku e outros ilhotes firmados pelos participantes da reunião.

A ONU é a organização mais importante na garantia da ordem internacional pós-guerra. A China participou de todo o processo dos preparativos e estabelecimento da entidade. Durante a Conferência do Cairo, realizada em 1943, líderes da China e dos EUA discutiram sobre o estabelecimento de várias organizações internacionais e propuseram a formação de um organismo de quatro países para fazer os preparativos para o estabelecimento da ONU. As decisões foram aprovadas pelo Reino Unido e União Soviética.

Entre os dias 17 de agosto e 7 de outubro de 1944, representantes dos quatro países realizaram uma conferência sobre os preparativos da ONU no Parque de Carvalhos de Dambarton, perto de Washington, aprovando o projeto de estabelecimento da ONU e os princípios da organização.

Representantes de 50 países se reuniram no dia 25 de abril de 1945 em Los Angeles, a convite dos EUA, Reino Unido, União Soviética e China. Com a organização dos quatro países, foi elaborada a Carta da ONU, que definiu a meta e os princípios, direitos, responsabilidades e competências dos seus principais órgãos.

A ONU foi estabelecida oficialmente no dia 24 de outubro de 1945, quando a China se tornou um dos cinco países permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

Entre 1944 e 1947, a China também participou da criação do Fundo Monetário Internacional, Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Banco Mundial) e Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio.

Em resumo, sendo à época um país fraco, a China lançou a guerra contra o poderoso fascismo do Japão, abrindo o primeiro campo de batalha antifascista do mundo e sempre sendo o campo principal da Ásia. A China persistiu na guerra duradoura, o que apoiou o combate dos Aliados e promoveu o estabelecimento da aliança antifascista no mundo. O país também dedicou esforços indispensáveis para o estabelecimento da nova ordem internacional pós-guerra e para a criação de organizações internacionais, incluindo a ONU. A história comprovou que a China mereceu o título de um dos quatro principais países antifascistas. A vitória da Segunda Guerra Mundial não foi fácil e foi conquistada com o sacrifício de inúmeras pessoas da China e do resto do mundo. Por isso, a proteção da vitória da Segunda Guerra Mundial e da tendência de paz, desenvolvimento e cooperação é uma responsabilidade comum.


Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Moradores evacuados e levados para abrigo temporário no distrito de Zhoutou, província de Anhui
Polícia armada participa de operações de controle de enchentes em Jiangxi
Pessoas se divertem em parque aquático de Hebei
Trabalhadores alimentaram bebês antílopes na reserva de proteção do lago Zhuonai
Jiangxi eleva a resposta às inundações ao mais alto nível
Paisagem de verão da antiga vila Qingyan, na província de Guizhou

Notícias

Identificadas pelo menos seis cepas diferentes do novo coronavírus no Brasil
RAEHK opõe-se fortemente à assinatura da "Lei de Autonomia de Hong Kong"
Huawei diz que proibição britânica pode levar Reino Unido à pista lenta digital
Maioria dos estadunidenses opõem-se ao uso impróprio dos termos “vírus da China” e “gripe Kung Fu”
Governo americano revoga regra controversa sobre estudantes internacionais
Advertência dos EUA sobre cadeia de suprimentos de Xinjiang é distorção