Governo brasileiro anuncia isenção de impostos para matérias-primas de máscaras

Published: 2021-04-01 16:16:29
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Segundo o Diário Oficial da União publicado em 31 de março, a Câmara de Comércio Exterior do Ministério da Economia do Brasil (Camex) anunciou a isenção de impostos para a importação de resina de polipropileno, uma matéria-prima utilizada na fabricação de máscaras. O objetivo é aliviar a escassez do produto no mercado interno durante a epidemia. A resolução será oficialmente implementada sete dias após sua publicação no Diário Oficial e será válida por três meses.

O Ministério da Economia brasileiro divulgou que o governo continuará a acompanhar a dinâmica do mercado a fim de avaliar a necessidade de estabelecer medidas adicionais para garantir o fornecimento do produto.

A decisão de eliminar as tarifas sobre o item foi tomada pelo Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Camex em uma reunião extraordinária realizada em 29 de março. Também foi decidido zerar a taxa de importação de 65 medicamentos e equipamentos médicos utilizados no tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Festival Internacional de Arte de Luz de Beijing realizado no Parque Yuyuantan
"Chinese Sky Eye" é disponibilizado a cientistas globais
Fotos aéreas mostram um campo de flores de colza na cidade de Zunyi
Museu de Xinjiang restaurou mais de 100 valiosos objetos antigos
Paisagem de primavera em Chengdu
Mais artefatos descobertos nas escavações arqueológicas de Sanxingdui

Notícias

Governo brasileiro anuncia isenção de impostos para matérias-primas de máscaras
EUA continuam induzindo UE para conter a China
China lança novo satélite de observação da Terra para espaço
Telescópio chinês FAST será oficialmente aberto a astrônomos globais
PMI manufatureiro da China chega a 51,9 em março
Comentário: Ao fabricar mentiras sobre algodão de Xinjiang, EUA não estão interessados nos direitos humanos, mas na hegemonia