Círculo científico internacional presta atenção à sonda lunar chinesa Chang’e-5

Published: 2020-11-30 11:09:20
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A China lançou com sucesso na semana passada sua sonda espacial Chang’e-5 para a Lua e trará amostras do planeta. Isso causou grande atenção no círculo científico internacional.

A revista Nature reportou que, 44 anos depois, a humanidade vai trazer mais uma vez amostras da Lua. Além disso, desta vez, as amostras serão basalto de cerca de 1,3 bilhão de anos de idades, mais jovens do que as amostras coletadas pelos Estados Unidos e a ex-União Soviética que tinham mais de 4 bilhões de anos de história.

A publicação também indicou que a Chang’e-5 tem uma capacidade de trabalho mais forte do que as outras sondas não tripuladas. As três da ex-União Soviética coletaram 330 gramas de amostras da Lua e a Chang’e-5 vai trazer dois quilos em uma vez só. O motivo é que a sonda chinesa conta com a tecnologia de acoplamento não tripulado na órbita da Lua.

A também famosa revista científica Science descreveu que a Chang’e-5 precisa de um balé no espaço profundo para cumprir sua tarefa de coletar dois quilos de amostras.

Tradução: Luís Zhao

Revisão: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Parque Moshi, na província de Sichuan
Artista Kanat Nurtazin cria obras de arte em folhas de árvores
Cidade de Wu'an promove o turismo para aumentar a renda dos moradores
​Agricultores colhem pepinos na base da indústria vegetal na província de Hunan
Alunos experimentam teatro de sombras em escola primária de Hebei
Aves selvagens em aldeia de Fujian

Notícias

Pandemia no Brasil volta a um estágio de alta velocidade de contágio
Fauci: Não queremos lockdown, mas talvez tenhamos que fazer isso
Círculo científico internacional presta atenção à sonda lunar chinesa Chang’e-5
China estabelece maior rede de seguro médico do mundo
Exposição China-ASEAN é realizada com sucesso
​Componentes chaves do sistema de navegação Beidou-3 são 100% de fabricação chinesa