Johnson & Johnson suspende testes de vacina contra COVID-19 no Brasil

Fonte: Xinhua Published: 2020-10-14 17:56:20
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do Brasil informou nesta terça-feira ter recebido um comunicado oficial da empresa Janssen-Cilag, divisão farmacêutica da norte-americana Johnson & Johnson, que anunciou interromper temporariamente os testes clínicos nos quais se pesquisava a segurança e eficácia de sua vacina VAC31518COV3001 contra a COVID-19.

Segundo a declaração, "o estudo foi suspenso temporariamente devido a um acontecimento adverso grave em um voluntário no exterior".

A empresa não deu detalhes do caso, já que o estado de saúde do voluntário é considerado confidencial.

"No Brasil, a inclusão do primeiro voluntário no estudo ocorreu no dia 9 de outubro e novas inclusões só poderão acontecer quando houver autorização da Anvisa, que procederá com a análise dos dados da investigação e decidirá pela continuidade ou interrupção permanente do estudo clínico, com base nos dados de segurança e avaliação de risco/benefício", informou a nota da Agência.

A empresa tinha recebido autorização da Anvisa para realizar os testes no Brasil em agosto.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Paisagem de outono do Lago Yanqi, no distrito de Huairou em Beijing
Shenzhen: 40º aniversário de criação de Zona Econômica Especial
Ferrovia de alta velocidade impulsiona o turismo de Guizhou
Parque coberto de gramas cor de rosa atrai mais turistas em Fuzhou
Semana de moda de Shanghai - Desfiles de Primavera-Verão 2021
Vista aérea das árvores de populus euphratica na cidade de Jiuquan, província de Gansu, noroeste da China

Notícias

Johnson & Johnson suspende testes de vacina contra COVID-19 no Brasil
Brasil não terá vacinação em massa em 2021, afirma vice-diretora-geral da OMS
FMI revisa previsão da economia mundial para contração de 4,4% em 2020
Xi Jinping ressalta a determinação da China de persistir na reforma e abertura
Xi Jinping inspeciona Shantou
Modelo projeta que EUA terão 400 mil mortes por COVID-19 até 1º de fevereiro