Brasil não terá vacinação em massa em 2021, afirma vice-diretora-geral da OMS

Fonte: Xinhua Published: 2020-10-14 17:53:50
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A vice-diretora-geral da área de Medicamentos, Vacinas e Produtos Farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mariângela Simão, afirmou nesta terça-feira que é possível "ter certeza" de que o Brasil não poderá vacinar em massa contra a COVID-19 em 2021.

Em entrevista ao canal CNN Brasil, Simão justificou a declaração ao destacar que "não vai ter vacina suficiente no ano que vem para vacinar toda a população".

"Então, o que a OMS está orientando é que se priorize vacinar profissionais da saúde e pessoas acima de 65 anos ou que tenham alguma doença associada", acrescentou.

Segundo a vice-diretora-geral da OMS, é razoável imaginar que até o final de 2021, com tudo correndo bem, existam "duas ou três vacinas aprovadas" contra a COVID-19.

"Eu diria que 2022 é um ano que vamos ter mais vacinas porque a gente está com tanta vacina em desenvolvimento... É provável que a gente tenha ainda outras vacinas que cheguem no ano que vem provando serem seguras e eficazes", comentou na entrevista.

Para Mariângela Simão, "o importante agora não é imunizar todo mundo num país, o que é impossível: é imunizar aqueles que precisam em todos os países."

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Paisagem de outono do Lago Yanqi, no distrito de Huairou em Beijing
Shenzhen: 40º aniversário de criação de Zona Econômica Especial
Ferrovia de alta velocidade impulsiona o turismo de Guizhou
Parque coberto de gramas cor de rosa atrai mais turistas em Fuzhou
Semana de moda de Shanghai - Desfiles de Primavera-Verão 2021
Vista aérea das árvores de populus euphratica na cidade de Jiuquan, província de Gansu, noroeste da China

Notícias

Johnson & Johnson suspende testes clínicos de vacina contra COVID-19 no Brasil
Brasil não terá vacinação em massa em 2021, afirma vice-diretora-geral da OMS
FMI revisa previsão da economia mundial para contração de 4,4% em 2020
Xi Jinping ressalta a determinação da China de persistir na reforma e abertura
Xi Jinping inspeciona Shantou
Modelo projeta que EUA terão 400 mil mortes por COVID-19 até 1º de fevereiro