Exportações da China saltam com reabertura econômica, diz mídia dos EUA

Fonte: Xinhua Published: 2020-09-02 18:04:38
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Após a reabertura no final de fevereiro e início de março, as fábricas da China passaram por um aumento nas exportações que ainda está acelerando. As exportações subiram em julho para o segundo maior nível de todos os tempos, quase igualando o pico recorde em dezembro passado, de acordo com um artigo intitulado "A pandemia apenas alimentou a máquina de exportação da China", publicado no The New York Times nesta terça-feira.

De acordo com o artigo, a China abocanhou uma parcela muito maior dos mercados globais neste verão de outros países manufatureiros, consolidando um domínio no comércio que pode durar muito tempo, depois de o mundo começar a se recuperar da pandemia.

Com mão-de-obra de baixo custo e experiente e infraestrutura eficiente, bem como empréstimos extras concedidos pelos bancos estatais para as pequenas e grandes empresas para lidar com a pandemia, a China está mostrando forte capacidade de exportação, que não foi afetada pela COVID-19 nem pelas tarifas americanas, disse o artigo.

De acordo com o artigo, a maioria das economias, exceto a China, estão atualmente em recessão. A China está fabricando o que os hospitais e famílias do mundo precisam agora: equipamentos de proteção pessoal, produtos de melhoria de casa e muitos eletrônicos de consumo. Consumidores de todo o mundo têm comprado tudo, desde telas de computador e sistemas estéreo até ferramentas elétricas e saunas caseiras, muitas dos quais são feitos na China.

O artigo dá exemplos. A Hongyuan Furniture, na cidade de Guangzhou, no sul da China, contratou 50 trabalhadores extras depois que as encomendas de exportação para suas saunas domiciliares mais do que dobraram este ano. A Hongyuan disse que ainda não encontrou nenhuma nova concorrência dos fabricantes de saunas caseiras com sede em outros lugares, apesar de enfrentar tarifas americanas de 25% nos últimos dois anos.

A Trueanalog, na cidade de Zhongshan, no sul do país, descartou deslocar a produção de seus alto-falantes estéreo de alta gama para os Estados Unidos, seu principal mercado, ou para o Vietnã, onde os salários podem ser ainda mais baixos. Sejam ímãs, cones de papel ou espuma de borracha, a China domina a produção mundial dos componentes que vão para os alto-falantes que estão montando.

"A China tem a maior cadeia de suprimentos de peças que você precisa para fazer um alto-falante, e a China tem a mão-de-obra mais estável e acessível", disse Philip Richardson, proprietário americano da Trueanalog, citado pelo artigo.

Rajiv Biswas, economista-chefe para a Ásia da IHS Markit, uma empresa global de dados e consultoria, disse que a participação da China nas exportações mundiais subiu para quase 20% no segundo trimestre deste ano, contra 12,8% em 2018 e 13,1% no ano passado, de acordo com o artigo. A China agora parece forte nas exportações em muitos setores. O superávit comercial da China aumentou acentuadamente neste verão, especialmente em julho.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Paisagem do lago Baihua em Guiyang
O outono pode ser considerado a melhor estação para viajar de carro
Fotógrafo transforma alimentos em obras de arte
Festival de Turismo de Shambhala, em Gansu
Pessoas aproveitam o tempo de lazer em um parque de Beijing
Alunos voltam à escola no início do novo semestre em Beijing

Notícias

Exportações da China saltam com reabertura econômica, diz mídia dos EUA
Embaixadores da China e da Rússia publicam em conjunto um artigo comemorando 75 anos da vitória na Segunda Guerra Mundial
Destaques nas exposições da Feira Internacional de Comércio de Serviços da China
Vida próspera da aldeia Xinglong
Lei de imposto sobre recursos da China entra em vigor
Zhejiang registra recorde de entrega de 10 bilhões de pacotes em 8 meses