Comentário: Tese de “desacoplamento com a China” é um show de políticos norte-americanos

Published: 2020-08-30 20:50:19
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Em uma entrevista recente, o líder norte-americano usou novamente o argumento de "desacoplamento" com a China, dizendo que os Estados Unidos "não necessariamente têm que fazer negócios com a China". Nos últimos meses, os políticos norte-americanos têm apresentado teses semelhantes de vez em quando, mas tudo isso não passa de um show político de terceira, encenado no ano eleitoral.

É possível impedir às empresas norte-americanas de fazer negócios com a China? O governo norte-americano apoia o desacoplamento com a China, mas esse argumento tem sido resistido por empresas norte-americanas.

Um caso recente é: o governo dos Estados Unidos emitiu uma ordem administrativa anunciando que, a partir de 20 de setembro, indivíduos e empresas norte-americanas estão proibidos de realizar quaisquer transações relacionadas ao WeChat com a empresa chinesa Tencent. Como resultado, Apple, Ford, Goldman Sachs, Wal-Mart e P&G lançaram uma onda de oposição.

Mais de uma dúzia de empresas multinacionais norte-americanas enfatizaram em uma teleconferência com funcionários da Casa Branca que proibir o uso do WeChat pode enfraquecer a competitividade das empresas norte-americanas na segunda maior economia do mundo.

O WeChat é uma plataforma com mais de um bilhão de usuários em todo o mundo e é o principal aplicativo de comunicação na China. Seus serviços envolvem marketing, comunicações, e-commerce, pagamentos e outros serviços, os quais são "essenciais para se fazer negócios na China".

O jornal britânico Financial Times comentou que, à primeira vista, a proibição administrativa dos EUA parece ser um "grande golpe" para as empresas de tecnologia chinesas, mas isso realmente pode prejudicar ainda mais as próprias empresas norte-americanas.

Embora os políticos norte-americanos muitas vezes se manifestem para encorajar a "dissociação", sob a pressão da comunidade empresarial, sua atitude deve se afrouxar. Várias pessoas familiarizadas com o assunto revelaram que duas semanas após o anúncio da proibição administrativa, autoridades norte-americanas contataram privadamente muitas empresas do país, incluindo a Apple, e enfatizaram que ainda podem fazer negócios na China por meio do WeChat.

Isso prova mais uma vez que o chamado "desacoplamento" é nada mais que uma atuação de políticos norte-americanos em busca de poder, apenas um conceito ilusório em um futuro previsível.

Como as duas maiores economias do mundo, as economias da China e dos Estados Unidos se aninharam e se integraram profundamente. Na globalização econômica de hoje, nenhum país pode sobreviver sozinho. Especialmente no período pós-epidemia, todos os países têm necessidades urgentes de retomar o trabalho e a produção, restaurar a operação econômica normal e manter a estabilidade de sua própria cadeia industrial e de abastecimento. Nesse processo, os países só poderão navegar a favor do vento apenas se trabalharem juntos no mesmo barco.

Tradução: Paula Chen

Revisão: Erasto Santos Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Designer de roupas para animais de estimação inspirada em vestimentas históricas da etnia Han
Show de luzes realizado em Shenzhen
Moradores de Huzhou desenvolvem a indústria de hospedagem domiciliar para aumentar a renda
Máscaras de proteção de vários estilos
Aldeões debulham trigo em Gansu
Policiais verificaram a segurança dos ônibus escolares

Notícias

Ano de Consumo de Shandong é lançado para promover desenvolvimento econômico local
Sonda chinesa para Marte viaja cerca de 100 milhões de quilômetros
Sericultura traz prosperidade para distrito de Shiquan
Realizado diálogo online entre mídias da China e América Latina
Novo livro sobre o Brasil é lançado em Beijing
Brasil supera marca de 117 mil mortes causadas pela COVID-19