Comentário: Medida dos políticos estadunidenses de sempre culpar os outros não funciona mais

Fonte: CRI Published: 2020-08-06 20:30:02
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

“Eles tentaram culpar a China pelo surto da pandemia para encobrir seu fracasso.” A frase do editor chefe da revista The Lancet, Richard Horton, foi publicada no dia 4 no jornal britânico The Guardian. Richard apontou no texto que sob a liderança de Washington, alguns políticos ocidentais intensificaram suas críticas contra a China, ignorando a verdade de que os cientistas chineses contribuíram com seu grande esforço no combate à pandemia.

As palavras de Richard Horton revelaram um fato: a medida dos políticos estadunidenses de culpar a China pelo surto da pandemia não funciona mais. Mas perante a situação severa do COVID-19 e a pressão das eleições, os políticos de Washington estão tão ansiosos e não conseguem encontrar medidas apropriadas para lidar com a situação.

Desde o início da pandemia, cada vez mais progressos científicos provam que a especulação do “novo coronavírus ter se originado em um laboratório da China” é totalmente infundada. Na Espanha, o novo coronavírus foi detectado já em março do ano passado. Michael Ryan, diretor do programa emergencial da Organização Mundial da Saúde, reconheceu que Wuhan não é necessariamente o local onde surgiu a transmissão entre diferentes espécies biológicas.

Entretanto, os políticos de Washington ignoraram os fatos e tentaram iniciar uma “Nova Guerra Fria” para satisfazer seus próprios interesses políticos.

Vários estados dos EUA registraram uma piora na situação pandêmica recentemente devido à falta de medidas eficazes e à retomada da economia. Além disso, o PIB dos EUA no segundo trimestre teve uma queda drástica de 32,9% em comparação com o mesmo período do ano passado. Perante esta situação, os políticos de Washington não conseguiram encontrar medidas apropriadas, e por isso tentaram culpar a China para desviar a insatisfação do público.

Partindo do preconceito contra a China, algumas forças extremistas dos EUA difamaram o país, incitaram o ódio e tentaram desencadear uma “Nova Guerra Fria” direcionada à China. Essa política preocupante de Washington já está fora do trilho correto.

No século 21, qualquer país que queira iniciar uma “Nova Guerra Fria” estará no lado oposto do progresso da história e prejudicará não só os outros, mas a ele próprio. Atualmente, perante a pandemia, a união e a cooperação são as armas mais eficazes para lidar com a situação. A China e os EUA, dois grandes países, devem assumir suas responsabilidades. Qualquer incitação de conflito ou confronto é destinada ao fracasso.

Tradução: Xia Ren

Revisão: Erasto Santos Cruz

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Shantou: uma cidade diversa, rica em história
Xiamen, um jardim sobre o mar
Belo dia de sol em Beijing
Shenzhen: uma cidade moderna, energética, internacionalizada e de moda
Idosos praticam aeróbica tradicional no parque Templo do Céu em Beijing
Próspera indústria de plantação de pêras em Xinjiang

Notícias

Emissão de títulos da China chega a US$ 680 bilhões em julho
Aldeia na região montanhosa de Chongqing está mais acessível e tecnológica
72% dos ingressos do Festival Internacional de Cinema de Beijing são vendidos em 10 minutos
​Começa construção do CMG Copyright Trade Center em Shanghai
Xi Jinping: PCCh sempre terá sucesso se governar para o povo
Mianmar inicia 4ª reunião da Conferência de Paz de Panglong do Século 21