Comentário: Contramedida da China mira políticos norte-americanos histéricos

Published: 2020-07-24 20:44:04
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O Ministério das Relações Exteriores da China notificou hoje (24) a Embaixada dos EUA na China que a China decidiu revogar a permissão para o estabelecimento e operação do Consulado Geral dos EUA em Chengdu. Esta é a contramedida da China aos EUA que exigem o fechamento do Consulado Geral da China em Houston. Esta decisão não mira a maioria do povo norte-americano, mas é uma resposta resoluta às poucas forças anti-China nos Estados Unidos que tentam influenciar as relações sino-americanas para seu próprio benefício.

Recentemente, alguns políticos norte-americanos provocaram a China nos campos político, econômico, diplomático, militar e ideológico. Os Estados Unidos exigiram que a China feche o Consulado Geral em Houston dentro de três dias. Esta prática foi veementemente condenada pela comunidade internacional.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse ontem (23) que a prática do governo dos EUA contraria o espírito do estado de direito que o país promoveu ao longo dos anos. O professor de ciência política da Universidade do Texas em San Antonio, Jon R. Taylor, disse que essa prática tem como objetivo desviar a atenção do público ao tratamento ineficaz do governo contra a pandemia e a recessão econômica.

Como o primeiro consulado chinês nos Estados Unidos, o consulado chinês em Houston sempre cumpriu as leis internacionais e locais e contribuiu muito para a compreensão e cooperação entre os dois países.

Agora, os políticos dos EUA alegam que podem ordenar o fechamento de mais consulados chineses no país, mostrando ao mundo seu extremo preconceito ideológico e mentalidade de Guerra Fria.

Recentemente, estudantes chineses nos Estados Unidos foram intimidados, interrogados e até detidos sem motivo, alguns estudiosos chineses tiveram seus vistos cancelados para restringir a entrada e alguns jornalistas chineses foram deportados e reprimidos injustificadamente. Além disso, os EUA abriram bolsas diplomáticas chinesas e apreenderam suprimentos oficiais chineses. Tudo isso indica que o fantasma do macarthismo que pairava sobre os Estados Unidos há mais de meio século está ressuscitando. O professor da Universidade de Harvard, Ezra Feivel Vogel, indicou em um artigo recente que não é do interesse dos Estados Unidos transformar os chineses em inimigos.

A contramedida da China é um sinal de que a determinação do país em salvaguardar seus direitos e interesses legítimos é inabalável.

Atualmente, as relações China-EUA estão enfrentando o maior desafio desde o seu estabelecimento. A cooperação é a única escolha correta. Esta é uma lição histórica e deve servir de guia para o futuro.

Tradução: André Hu

Revisão: Erasto Santo Cruz


Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Shantou: uma cidade diversa, rica em história
Xiamen, um jardim sobre o mar
Belo dia de sol em Beijing
Shenzhen: uma cidade moderna, energética, internacionalizada e de moda
Idosos praticam aeróbica tradicional no parque Templo do Céu em Beijing
Próspera indústria de plantação de pêras em Xinjiang

Notícias

Emissão de títulos da China chega a US$ 680 bilhões em julho
Aldeia na região montanhosa de Chongqing está mais acessível e tecnológica
72% dos ingressos do Festival Internacional de Cinema de Beijing são vendidos em 10 minutos
​Começa construção do CMG Copyright Trade Center em Shanghai
Xi Jinping: PCCh sempre terá sucesso se governar para o povo
Mianmar inicia 4ª reunião da Conferência de Paz de Panglong do Século 21