Comentário: Mike Pompeo, o atrapalhador do combate internacional antipandêmico

Fonte: CRI Published: 2020-06-29 20:22:48
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, criticou recentemente a China pelas “assistências vazias” à África, a fim de difamar os resultados alcançados na Cúpula Extraordinária China-África sobre Solidariedade contra o COVID-19.

Logo depois do surto da pandemia no continente africano, a China forneceu assistência de materiais médicos para 50 países africanos e à União Africana, enviou equipes de médicos especialistas para 11 países, e realizou 30 videoconferências e 400 sessões de treinamento.

Na recente Cúpula Extraordinária China-África sobre Solidariedade contra o COVID-19, o presidente chinês, Xi Jinping, reiterou a construção da Comunidade de Saúde China-África e a mais estreita Comunidade de Futuro Compartilhado China-África. Na ocasião, o líder chinês apresentou várias propostas de cooperação, incluindo o compromisso do uso da vacina no continente africano quando for desenvolvida e a isenção de empréstimos sem juros vencidos até o final deste ano no quadro do Fórum de Cooperação China-África.

As medidas demonstram o apoio e o esforço sincero da China em ajudar os países africanos no combate antipandêmico e na retomada da economia.

As medidas também representam a responsabilidade da China pela segurança da saúde pública global. Como disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, o vírus passa por além das fronteiras e o sucesso ou a derrota do combate à pandemia são definidos pelos sistemas de saúde mais fracos do mundo. Neste sentido, ajudar os países africanos também significa ajudar toda a humanidade.

Entretanto, no dicionário de Mike Pompeo, político sem-vergonha, não há solidariedade ou responsabilidade. Há somente palavras cheias da mentalidade da Guerra Fria e hegemonia, tais como preconceito ideológico, interesses geopolíticos e jogos de soma zero.

Desde o surto, Pompeo se comprometeu a dar assistência à comunidade internacional. Segundo a Associated Press, mais de 20 organizações internacionais de assistência enviaram cartas a Washington, dizendo receber muito pouco ou até nenhum material humanitário dos EUA.

Mais ironicamente, Pompeo ignorou a discriminação racial nos EUA e atacou a China pela “discriminação racial” no combate ao COVID-19. O presidente da União Africana, Moussa Faki Mahamat, comentou que nada nem ninguém pode mudar ou prejudicar a amizade entre a África e a China.

Um recado para certos políticos de Washington: vocês devem prestar mais atenção à evolução da pandemia no seu próprio país e parar de atrapalhar a cooperação internacional no combate ao COVID-19.

Tradução: Xia Ren

Revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Shantou: uma cidade diversa, rica em história
Xiamen, um jardim sobre o mar
Belo dia de sol em Beijing
Shenzhen: uma cidade moderna, energética, internacionalizada e de moda
Idosos praticam aeróbica tradicional no parque Templo do Céu em Beijing
Próspera indústria de plantação de pêras em Xinjiang

Notícias

Emissão de títulos da China chega a US$ 680 bilhões em julho
Aldeia na região montanhosa de Chongqing está mais acessível e tecnológica
72% dos ingressos do Festival Internacional de Cinema de Beijing são vendidos em 10 minutos
​Começa construção do CMG Copyright Trade Center em Shanghai
Xi Jinping: PCCh sempre terá sucesso se governar para o povo
Mianmar inicia 4ª reunião da Conferência de Paz de Panglong do Século 21