Comentário: estigma contra a China não pode impedir a pandemia nos EUA

Published: 2020-03-26 19:36:35
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Ninguém esperava que o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, tentasse colocar o termo “vírus de Wuhan” na declaração conjunta da reunião dos chanceleres do G7 realizada no dia 25. A conduta de Pompeo sofreu críticas e recusa de outros países. Em função disso, a declaração conjunta não foi lançada.


A denominação do novo coronavírus é inaceitável sob a atual situação. O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, disse após a reunião do G7 que, para enfrentar a pandemia, a união e a cooperação são as maiores prioridades e ninguém deve aproveitar a crise para procurar outros propósitos políticos.


Conforme os dados publicados pela Universidade Johns Hopkins dos EUA, até 7 horas do dia 26, horário local, foram relatados em total 65.285 casos de infecção pelo COVID-19 no país. Entre os quais, 926 já foram a óbito. Nos últimos três dias, diariamente mais de 100 mil norte-americanos foram diagnosticados. A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou no dia 24 que os EUA podem ser o epicentro da pandemia causada pelo novo coronavírus.


Nesta circunstância, o que os políticos norte-americanos devem fazer é abandonar a hostilidade e o preconceito à China, e trabalhar mais para lutar contra a epidemia.


No entanto, a mídia norte-americana revelou que a detecção do novo coronavírus ainda é difícil para as pessoas comuns e a escassez de materiais médicos é grave. O governador do Estado de Nova Iorque, disse no dia 24 que ainda falta cerca de 90 mil leitos hospitalares no estado. Além disso, ele satirizou a afirmação do governo federal de que iria dar 400 máquinas de respiração para o estado, mas o que o estado precisa é 30 mil.


O ex-secretário de Estado adjunto dos EUA, Brett McGurk, disse que os necrotérios de Nova York estão cheios e os hospitais da cidade estão em perigo de colapso. Neste momento o G7 ainda tem uma agenda para nomear o vírus?


A pandemia é um inimigo comum de toda a humanidade. A união e a cooperação é o consenso internacional. Os políticos norte-americanos devem parar de estigmatizar a China, porque isso não ajuda nada a melhoria da situação nos EUA. Eles precisam ganhar tempo para fazer algo mais importante.


Tradução: Luís Zhao

Revisão: Diego Goulart


Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Paisagem ao longo do rio Yarlung Zangbo após a queda de neve
Trabalhadores montam um navio no estaleiro da fábrica na ilha de Changxing de Shanghai
Os restaurantes de hotpot em Chengdu retomam os negócios com medidas de prevenção
Flores de cerejeira desabrocham em Beijing
Os alunos de Qinghai iniciaram novo semestre com medidas de prevenção mais rigorosas contra o novo coronavírus
Agricultores colhendo folhas de chá em uma plantação

Notícias

Comentário: De “vírus chinês” a “vírus”- O instinto de sobrevivência de Trump
OMS: não desperdicem a 2ª oportunidade para conter o COVID-19
Base de panda na China reabre ao público
Suprimentos da China chegam em todo o mundo
Olimpíada de Tóquio é adiada para 2021
Primeiro caso confirmado do COVID-19 é relatado no Laos