Medidas da China são pragmáticas e reflexíveis, diz especialista da OMS

Published: 2020-02-26 12:47:30
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O chefe da missão de especialistas internacionais da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o surto do Covid-19, Bruce Aylward, disse no dia 25 em Genebra, que as medidas adotadas pela China são pragmáticas e reflexíveis.

Aylward acabou de realizar pesquisas na China. Ele enfatizou que mesmo sem vacinas e medicamentos eficazes, o país aplicou um projeto sistemático muito pragmático para prevenir e controlar a epidemia.

Bruce Aylward revelou que a China tomou diferentes medidas conforme as realidades das diferentes regiões. Além disso, os chineses mostraram a incrível capacidade de ações coletivas e o espírito de cooperação, acrescentou.

“Todas as medidas são impressionantes e suas eficiências são de suma importância”, declarou Bruce Aylward, também diretor-geral-assistente da OMS. Ele ainda sublinhou que uma importante característica das medidas chinesas é o aproveitamento das ciências e tecnologias, especialmente, o big data.

Bruce Aylward alertou que o novo coronavírus está se tornando uma epidemia de abrangência global, por isso, todos os países devem reagir rapidamente.

Tradução: Luís Zhao

Revisão: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Estudantes de Shanghai participaram de uma aula experimental online
Oficinas destinadas ao alívio da pobreza retomam produção em Hunan
Pacientes recuperados pelo novo coronavirus doaram plasma em Hebei
Trabalhadores migrantes usam trem-bala especial para retomar o trabalho
Porto de Hefei retomou as operações de maneira ordenada
Mais pacientes do novo coronavírus recebem alta do hospital

Notícias

Medidas da China são pragmáticas e reflexíveis, diz especialista da OMS
​ONU apela aos países africanos para aprenderem com a China
Líderes da Índia e dos EUA se encontram
Comentário: Como está sendo a resposta da China à epidemia?
Coreia do Sul eleva alerta de vírus em meio crescentes casos de COVID-19
Receita da Huawei salta 18% em 2019