Bolsonaro anuncia reunião de presidentes dos países amazônicos

Fonte: Xinhua Published: 2019-08-29 19:04:44
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, anunciou nesta quarta-feira a realização de uma reunião de cúpula dos países amazônicos no dia 6 de setembro na cidade colombiana de Letícia, para discutir uma política comum de preservação do meio ambiente e uma maneira de "exploração sustentável" da região.

Bolsonaro deu a notícia junto com o presidente chileno Sebastián Piñera, que aproveitou seu regresso da França, onde participou como convidado da reunião do G7, para fazer uma escala em Brasília e tomar um café da manhã com o presidente brasileiro na residência oficial no Palácio da Alvorada.

Ao fazer o anúncio à imprensa, Bolsonaro voltou a criticar o presidente francês, Emmanuel Macron, que sugeriu a possibilidade de se discutir no futuro uma gestão internacional para a preservação da Amazônia.

"Ao relativizar mais uma vez nossa soberania, ele despertou o sentimento patriótico do povo brasileiro, assim como de outros países aqui na América do Sul, que são parte da região amazônica", disse Bolsonaro.

"Tanto é assim, que dia 6 de setembro nos reuniremos com esses presidentes, exceto o da Venezuela, para discutir nossa política única de preservar o meio ambiente e a exploração sustentável de nossa região", acrescentou.

A reunião de cúpula deve contar com os presidentes de Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guyana, Peru e Suriname. Maduro, da Venezuela, não foi convidado.

Bolsonaro disse ainda que lamenta "a péssima imagem apresentada pelo Sr. Macron, falsa, sobre nossa Amazônia", e chamou o presidente francês de "esquerdista".

"Essa inverdade do Macron ganhou força porque ele é de esquerda e eu sou de centro- direita", afirmou o presidente. Contestado por um jornalista que disse que, na França, Macron é considerado de centro-direita, respondeu. "Pra você, pra mim não".

O presidente comentou também que o "Brasil não tem preço" e que "20 milhões ou 20 trilhões é a mesma coisa", em referência à oferta de países do G7 de uma ajuda de 20 milhões de dólares ajudar a conter os incêndios na Amazônia.

"A Alemanha e, em especial, a França estavam comprando a nossa soberania à prestação. Deixei bem claro isso aí. Parece que 20 milhões de dólares é o nosso preço. O Brasil não tem preço", afirmou.

Durante o encontro com Bolsonaro, o presidente chileno ofereceu o envio de quatro aviões para combater as queimadas na Amazônia.

Piñera acrescentou que "a Amazônia brasileira é brasileira, mas muitos países querem colaborar", e fez referência à oferta do G7.

"Este esforço de 20 milhões (de dólares) feito por esse grupo de países, é um esforço que, pode agregar muito na forma de ajuda bilateral. Porque isso é solidariedade entre países, quando se enfrenta situações como as que enfrentam agora por causa das mudanças climáticas e o aquecimento global", afirmou.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong