China e Brasil realizam 3º diálogo estratégico abrangente a nível ministerial

Published: 2019-07-26 16:45:42
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A China e o Brasil manifestaram ontem (25) o interesse de fortalecer e aprofundar as relações bilaterais em vários ramos, com destaque para o setor da agricultura e economia, a fim de garantir benefício e desenvolvimento mútuo.

O desejo foi manifestado durante o diálogo estratégico abrangente que teve lugar em Brasília entre o chanceler chinês,WangYi, e o seu homólogo brasileiro, Ernesto Araújo.

No encontro, o chanceler chinês expressou ainda o desejo de aprofundar a cooperação nos setores da eletricidade, mineração e construção de infra-estrutura, além de transformar a inovação tecnológica e a economia digital em novos pontos de crescimento.

SegundoWangYi, os dois países são economias emergentes e as mais representativas no hemisfério oriental e ocidental, com relações pacíficas sem confrontos históricos, ou atuais, e que possuem grande complementaridade e potencial de cooperação.

WangYidestacou que a China sempre coloca as relaçõessino-brasileirasem uma posição importante e está disposta a aproveitar o 45º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas para promover as relações ao nível mais alto entre os dois Estados.

A iniciativa, de acordo com o chanceler chinês, visa garantir que as partes se tornem num modelo de solidariedade e cooperação entre as economias emergentes, assim como uma força estabilizadora para a paz e o desenvolvimento mundiais.

WangYienfatizou que na próxima etapa, a China e o Brasil devem fortalecer o intercâmbio de alto nível, aprofundar a confiança política e garantirapoiomutúo nos assuntos de interesses vitais ou de grande relevância para um dos lados.

China manifestou interesse de cooperar de forma a garantir uma conectividade com o Brasil no âmbito da iniciativa “Cinturão e Rota”, assim como no “Programa de Parcerias de Investimentos”.

“A China presta atenção aoestatuse função importante do Brasil na América Latina e quer se tornar, juntamente com o Brasil, as forças motoras da cooperaçãoChina-AméricaLatina.”

WangYisalientou ainda que os dois países devem defender o multilateralismo, a ordem internacional e o sistema comercial multilateral. Além disso, a China vai apoiar totalmente o Brasil para acolher o encontro dos líderes dosBricsno corrente ano, disseWangYi.

Segundo Ernesto Araújo, o Brasil presta muita atenção à parceria estratégica global com a China. O presidente brasileiro, JairBolsonaro, pretende visitar a China em outubro.
Depois da visita do presidente brasileiro à China, em novembro espera-se que o presidente chinês,XiJinping, compareça à reunião dosBrics.

Ernesto Araújo afirmou que seu país está disposto a fortalecer a cooperação nos campos de agricultura, economia e comércio, economia digital, construção de infra-estrutura e anticorrupção, e estreitar o intercâmbio da cultura, educação e turismo.

“O Brasil defende o multilateralismo e o livre comércio, a construção de uma economia mundial aberta e a integração regional”, disse ele.

Tradução: Nina Niu

Edição: Hilário Taimo

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Parada de Wushu e de Danças de Dragão e de Leão realizada em Macau
Condado de Xiapu na província de Fujian
“Museu do Tempo 2019” foi inaugurado em Beijing
Festival de corrida de cavalos em Sichuan
Exposição de peixinhos dourados foi aberta ao público
Panorama noturno do Parque Geológico de Gansu

Notícias

China e Timor Leste concordam em ampliar cooperação no Cinturão e Rota
Comentário: nulidade do Tratado INF aumenta riscos de segurança mundial
Principal mídia dos EUA transmite documentário sobre redução da pobreza na China
China e UE concordam em continuar defendendo Acordo Geral sobre Questão Nuclear Iraniana
Yang Jiechi reafirma que assuntos de Hong Kong da China não podem ser interferidos por forças externas
ELP assume novas tarefas na era atual