Há 20 anos no Brasil, Huawei tem 75% dos funcionários locais

Fonte: Xinhua Published: 2019-01-16 18:23:40
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Cerca de um terço do tráfego de dados de comunicação do Brasil passa por equipamentos ou soluções da Huawei, segundo o diretor de tecnologia da empresa no país sul-americano, Nicolas Driesen. No Brasil, operadoras de telefonia, grandes empresas do setor privado e estatal, além de micro, pequenas e médias empresas e também governos fazem parte da carteira de clientes. Entre os cerca de 700 funcionários, 75% são locais, e entre os expatriados, há colaboradores de diferentes partes do mundo.

É com este perfil que a empresa oferece uma gama variada de serviços, atenta a garantir uma comunicação mais eficiente. No Brasil, das três grandes áreas da Huawei, apenas uma não está coberta, a do consumidor individual. Seus smartphones, tablets, relógios e outros gadgets ainda não estão disponíveis no mercado brasileiro, mas não está descartado o desembarque para breve.

O foco da Huawei no Brasil divide-se em dois setores: o de serviços para operadoras de telefonia, oferecendo soluções e produtos de infraestrutura de comunicação (caso de equipamentos para tecnologias de transmissão de dados tais quais 2G, 3G, 4G, 4G+ e 5G, esta última ainda a ser implantada entre este e o próximo ano), e para companhias, em que são oferecidas soluções de rede e infraestrutura de tecnologia de informação, como servidores e data centers. Assim, a Huawei atende desde bancos com serviços de comunicação financeira a plataformas de petróleo ou companhias localizadas em áreas remotas e que dependem de conectividade, caso de mineradoras.

Com escritórios em diversas capitais, caso de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Porto Alegre, o que garante uma diversificação regional, a Huawei do Brasil também aposta em investimentos e parcerias para pesquisa e desenvolvimento. É o caso da parceria com o Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), em que engenheiros e outros profissionais recebem treinamento em Tecnologia da Comunicação e Informação, além de desenvolverem soluções para operadoras de telefonia e dados. Ou do convênio com a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), em que o Smart City Innovation Center busca estudar cidades inteligentes e no qual é oferecido um curso de capacitação em internet das coisas (IoT, na sigla em inglês).

A integração com academia e instituições brasileiras é um dos aspectos da empresa, que prima por atender à legislação local, no que tange a termos trabalhistas, fiscais e ambientais:

"A Huawei vai além das obrigações previstas em lei, oferecendo cursos de treinamento e aperfeiçoamento em diferentes áreas. Um dos exemplos é a reciclagem por que passam os executivos da empresa a cada três meses sobre sistemas anti-corrupção, a fim de que conheçam os limites de atuação e a legislação brasileira", destaca Driesen.

Segundo o executivo, que está há 10 anos na empresa e viaja regularmente à China para treinamentos, a integração entre funcionários locais e expatriados na Huawei é outro ponto a ser destacado.

"Aprendemos a língua um do outro, nem que sejam algumas poucas palavras, até como aproximação e brincadeira. Também nos tornamos amigos íntimos de alguns colegas chineses, e houve mesmo casos de alguns que casaram com brasileiras", conta o diretor.

Dentre os serviços que a Huawei oferece no Brasil, Driesen destaca a conexão até o continente africano, via Camarões, por meio de fibra ótica; um projeto de segurança na prefeitura de Campinas (SP), em que a Huawei oferece não apenas câmeras, mas a interligação do sistema, o que permite captar imagens de outros equipamentos de vídeos de outras marcas, e o gerenciamento de casos na cidade; e o projeto de conectividade na Amazônia, ao longo do Rio Amazonas, o que garante acesso à internet para populações ribeirinhas.

No país, a Huawei também já implantou inversores em fazendas de painéis fotovoltaicos, equipamentos que fazem a transformação da energia solar captada pelas placas em energia elétrica, que, então, pode ser distribuída no sistema.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Linda paisagem de neve na montanha Huangshan
Carros conceituais apresentados no Salão do Automóvel de Detroit
Shanghai recebe a maior ponte para pedestres de impressão 3D do mundo
Chineses provam Mingau de Laba para celebrar Festival Laba
Veja fotos da semana de moda masculina de Milão
Aldeões preparam bolo de arroz tradicional para receber Ano Novo lunar em Zhejiang

Notícias

China dedica-se à promoção do desenvolvimento da indústria de manufatura
Premiê chinês destaca importância de estímulo à vitalidade do mercado
Há 20 anos no Brasil, Huawei tem 75% dos funcionários locais
Primeiras-damas da China e da Finlândia assistem em conjunto a espetáculos
China tomará várias medidas para impulsionar desenvolvimento econômico estável
Presidente da Assembleia Geral da ONU elogia China por sua contribuição