Uma visão global do espírito português na Ásia: intercâmbio e aprendizagem

Fonte: CRI Published: 2018-04-09 12:57:46
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Por João Palmeiro, presidente da Associação Portuguesa de Imprensa

Uma visão global do espírito português na Ásia caleidoscópio de culturas: intercâmbio e aprendizagem mútua

A Rota da Seda é, desde 2013, e nas palavras do seu Presidente, uma matéria estratégica para o posicionamento da República Chinesa no mundo.

 A Rota Marítima da Seda pode ser, para os objetivos estratégicos de internacionalização de Portugal, um elemento de comunicação fundamental e apoiado na potência mundial de maior crescimento económico e com projetos para abrir a porta do turismo internacional a mais de um terço da sua população nacional.

Para muitos conhecedores da história, a valia estratégica da Rota da Seda terrestre assenta no olhar dos chineses para a Rota Marítima, com redobrado interesse, pois significa a sua presença no Índico do Sul e no Atlântico e o reforço da sua ligação à língua portuguesa e à Europa do Norte e costa Atlântica da América do Sul, onde os produtos chineses chegaram maioritariamente através da via marítima de Portugal.

A organização de um evento global, dependendo dos meios angariados, poderia constituir uma exposição em Portugal, outra na China e, possivelmente, uma itinerância na Ásia e na costa sul oriental de África, caso o projeto do navio «David Melgueiro», em preparação, venha efetivamente a realizar-se.

A Eurásia é uma grande área geográfica que comunica entre si há milénios. Objetos, ideias e conhecimentos foram sendo transmitidos de região para região, pelas mãos de aventureiros, mercadores, missionários ou guerreiros. Ninguém fazia a viagem completa entre o Atlântico e o Pacífico, mas as trocas sucederam-se desde tempos pré-históricos, pois os arqueólogos encontraram artefactos com 5.000 anos oriundos da China em zonas do Mar Cáspio, por exemplo.

O primeiro eixo de comunicação entre os povos euroasiáticos foram vias terrestres que atravessavam vales férteis, desertos e montanhas. No entanto, desde há 2.000 anos estes povos também se ligam por vias marítimas, que começaram por ligar a China à Índia e ao Mediterrâneo. Há cerca de 2.000 anos, quando o Extremo Ocidente e o Extremo Oriente estiveram sob o domínio de dois grandes impérios (o Romano e o Han) o jogo das trocas intensificou-se sem que se concretizasse uma relação direta persistente entre os dois impérios.

Os Descobrimentos Portugueses provocaram uma Revolução Geográfica ao romperem com o medo do “Mar Tenebroso” e ao transformarem o oceano Atlântico numa nova via de comunicação. Com a chegada de Vasco da Gama à Índia, em 1498, a Rota da Seda sofreu um novo impulso. Em 1501, Pedro Álvares Cabral, comandante da segunda expedição portuguesa à Índia, já trazia consigo peças de porcelana, que logo começaram a circular pela Europa como ofertas diplomáticas. Quando Jorge Álvares desembarcou em Cantão concretizou-se, finalmente, a ligação direta entre o Extremo Oriente e o Extremo Ocidente; apesar das dúvidas iniciais, portugueses e chineses entenderam-se, passado meio século, e surgiu Macau.

As relações luso-chinesas marcam, assim, o despontar de uma nova era na história da Rota da Seda em que portugueses e chineses se tornaram em polos irradiadores da cultura material do outro extremo do espaço euroasiático. A porcelana, a seda e depois o chá difundiram-se por toda a Europa, a partir de Lisboa, do mesmo modo que a Ciência europeia foi absorvida pelo Império do Meio, a partir de Macau.

Foi esta nova visão geopolítica e geoestratégica que o presidente Xi Jinping veio trazer à rota da seda transformando-a de uma visão da História que une continentes numa proposta para o futuro das relações pacíficas entre povos. E aqui, a rota marítima da seda pela sua amplitude quase global e pela modernidade dos meios de transporte utilizados e pelo avanço tecnológico e científico que promoveu, assume também um importante papel no conhecimento do futuro para as comunidades do mundo inteiro.

Aportar esta visão conjugando benefícios de um conhecimento histórico, antropológico e cultural do passado com os benefícios de desenvolvimento pacífico do futuro é certamente uma das maneiras mais adequadas de permitir que a nação chinesa, impulsionada pela visão do seu presidente, possa contribuir para um mundo melhor, em paz e sustentado numa economia ambientalmente correta e mais equilibrada para todos.

Uma exposição internacional irradiando de Lisboa, de Cantão, de Sanya (Hainan) até ao mais norte da Europa e a toda a Ásia, África e América do Sul, com um polo na Arábia, em Abu Dhabi, reunindo a rota marítima e a rota terrestre seria a proposta mais certa para o mundo compreender a mensagem chinesa e do seu presidente. Pela sua localização, pelo papel desempenhado no arranque da Globalização e pelo seu secular relacionamento com a China, Portugal reúne as condições certas para ser o parceiro adequado para a propagação desta mensagem e dos seus ideais.

E, para frutificar as potencialidades únicas que uma Ásia, Caleidoscópio de Culturas, pode produzir, intercâmbio e aprendizagem mútua.

 

 


Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Jato fabricado na China completa teste de voo com ventos cruzados
Amadores do Tai Chi praticam numa floresta de árvores de pêra
Vila Bo'ao
Museu Nacional de Alexandria, Egito
Um ginásio especial em Chengdu
Visite grandes buracos naturais na terra em Yunnan

Notícias

Xi Jinping profere discurso temático na abertura da conferência anual do Fórum de Boao para a Ásia 2018(atualizado)
Ásia seguirá liderando crescimento global por mais 20 anos, dizem especialistas
Xi’an sedia Fórum do Povo da Organização de Cooperação de Shanghai
Oito convidados discursam durante a Cúpula de Líderes de Mídia para a Ásia
Fórum Boao para a Ásia publica três relatórios sobre economia
Uma visão global do espírito português na Ásia: intercâmbio e aprendizagem