Índia assina 10 pactos com Bielorrússia

Fonte: Xinhua Published: 2017-09-13 20:53:26
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A Índia e a Bielorrússia assinaram 10 pactos nesta terça-feira, enquanto o primeiro-ministro, Narendra Modi, conversou com o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko.

Os acordos assinados entre os dois países buscam fortalecer a cooperação bilateral em diversos campos, inclusive em petróleo e gás, educação e esportes.

Durante suas conversas, Modi e o presidente bielorrusso concordaram em se concentrar no fortalecimento do engajamento bilateral em diversas áreas, incluindo defesa, comércio e investimento.

"Vamos encorajar o desenvolvimento conjunto e o setor de fabricação no setor de defesa no âmbito do programa Make in India," disse Modi em uma declaração da mídia após as negociações.

No início do dia, o presidente Lukashenko recebeu uma cerimônia de boas-vindas em Rashtrapati Bhawan (residência presidencial), onde foi recebido pelo presidente indiano, Ram Nath Kovind.

O vice-presidente indiano, Sr. Venkaiah Naidu, e o ministro das Relações Exteriores, Sushma Swaraj, também convocaram o presidente visitante antes de conversar com Modi.

O presidente Lukashenko chegou à capital na segunda-feira à noite em uma visita de dois dias, que coincide com os dois países comemorando o 25º aniversário das relações diplomáticas.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Belas sobremesas no Instagram
Ruínas do Reino Guge, no Tibete
Kong Fu da China em destaque em Times Square
Hefei realiza torneio aberto de parkour
Mobike entra no mercado da Malásia
Competição mundial de wingsuit realizada em Zhangjiajie

Notícias

Frota naval chinesa parte para exercício conjunto na Rússia
Sede da ONU inaugura 72ª Assembleia Geral das Nações Unidas
Novos serviços nas fronteiras de Nanjing facilitam viagens aos chineses
Chanceler sul-coreana destaca desnuclearização da Península Coreana por meio pacífico
Palestinos apelam por solução pacífica entre Palestina e Israel
Exposição em Genebra mostra progressos da China em direitos humanos