Brasil deseja reforçar cooperação sino-brasileira no setor de inovação tecnológica

Published: 2019-09-11 17:52:51
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Foi realizada nesta segunda-feira (9) em São Paulo, a conferência anual do Conselho Empresarial Brasil-China. Intitulado “Oportunidades para o Brasil de uma Parceria Estratégica com a China”, o evento visa oferecer uma plataforma para os participantes discutirem sobre as cooperações pragmáticas entre os dois países. O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, fez um discurso na conferência no qual expressou o desejo de aprofundar o comércio bilateral e a cooperação de investimento, além de explorar novas áreas de cooperação.

Sob as circunstâncias de profundas mudanças no cenário mundial, como consolidar e ampliar as oportunidades de desenvolvimento é um tema de grande significado para ambos os países. O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, disse que nos últimos 70 anos após a fundação da Nova China, o país tem registrado grandes êxitos em diversos setores, possibilitando grandes oportunidades à cooperação sino-brasileira.

“Uma dessas oportunidades é o mercado e a abertura. A China tem 400 milhões de pessoas de classe média, o que constitui o maior mercado consumidor do mundo. O governo chinês reduzirá ainda mais as tarifas alfandegárias, eliminará as barreiras não tarifárias e diminuirá praticamente os custos institucionais das importações”, disse Yang Wanming.

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, disse na conferência que o governo brasileiro está se dedicando para uma reforma socioeconômica, promovendo o país para uma nova fase de crescimento sustentável.

“O agronegócio brasileiro é um fruto do desenvolvimento científico. Nossos agricultores trabalham hoje com um sistema de plantio direto, agricultura de precisão, técnicas modernas de irrigação, eficiência na gestão e no processamento de informações, além da biotecnologia. O Brasil possui ainda muitas empresas de base tecnológica com grande capacidade de crescimento e diversificação. No contexto de futuras tecnologias de 5G, pesquisadores do instituto nacional de telecomunicações trabalham para desenvolver soluções tecnológicas para a inclusão digital de áreas rurais do Brasil”, disse Hamilton Mourão.

Em 2017, a China publicou o seu primeiro plano de desenvolvimento de inteligência artificial. O ex-embaixador do Brasil na China, Marcos Caramuru, disse que tendo mais de mil empresas de inteligência artificial, a China tem rapidamente desenvolvido o setor de IA.

Yang Wanming disse que com os crescentes riscos de incerteza, a China e o Brasil devem trabalhar de mãos dadas para defender o multilateralismo comercial. Hamilton Mourão disse estar de concordo com Yang.

“Temos procurado construir relações de confiança e criar um ambiente político propício para a diversificação das relações econômicas com a China. A instabilidade política não contribui para o progresso econômico”, disse Mourão.

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Gabriela

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Festival Internacional de Lanternas de Macau
Campeonato Mundial de Wingsuit Flying de 2019 realizado em Zhangjiajie
Bélgica, terra do chocolate
“Cidade Proibida” feita de 500 mil legos apresentada ao público
Museu do Palácio organiza exposição com tema de flores e árvores para celebrar o Dia Nacional
Flores em floração em Changchun

Notícias

Curta sobre culinária Brasil-China é lançado em Beijing
É inaugurada em Genebra a Exposição de Progressos dos Direitos Humanos na China
China realiza reunião paralela sobre direitos humanos na ONU
Comentário: Crescimento estável do comércio exterior da China mostra resiliência da economia
Empresário dos EUA, Scott Kronick: “Experiência na China definiu minha vida”
China emite moeda comemorativa para celebrar 70º aniversário do país