China divulga primeiro Livro Branco sobre segurança nuclear

Published: 2019-09-03 18:49:46
Comment
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A China divulgou hoje (3) o seu primeiro Livro Branco sobre a segurança nuclear. Conforme o documento, o país aprovou todos os instrumentos jurídicos internacionais no âmbito da segurança nuclear e apoiou o fortalecimento da cooperação multilateral nesta área. O país também continuará promovendo a cooperação internacional, o estabelecimento de um sistema internacional justo, cooperativo e benéfico para todos, e o compartilhamento dos resultados do desenvolvimento do uso pacífico da energia atômica.

O Livro Branco, emitido pelo Gabinete de Imprensa do Conselho de Estado, mostra que a China sempre leva a garantia da segurança nuclear como uma responsabilidade importante do país e desenvolve essa causa sob a condição básica de segurança. O país tem mantido um recorde satisfatório de segurança nuclear e abriu caminho com características próprias a este respeito. O vice-ministro de Ecologia e Meio Ambiente e diretor da Administração de Segurança Nuclear da China, Liu Hua, apresentou a situação.

“Até o final de junho deste ano, na parte continental chinesa, havia 47 unidades de energia nuclear em operação, 19 reatores e montagens críticas civis, 18 instalações de circulação de combustíveis nucleares e duas usinas de tratamento de resíduo com baixa e média radiação. As instalações mantiveram um bom recorde de segurança. Conforme as estatísticas da Associação Mundial de Operadores Nucleares, 80% dos indicadores das unidades de energia nuclear em funcionamento da China atingem o nível médio mundial e 70% destes correspondem ao nível avançado. Podemos dizer que os indicadores de operação das instalações nucleares da China ocupam lugares de vanguarda de modo geral”, disse o vice-ministro.

A China recebeu, respectivamente, nos anos de 2000, 2004, 2010 e 2016, a avaliação da Associação Internacional de Energia Atômica sobre seu sistema de segurança nuclear. Em 2016, a entidade realizou um balanço abrangente sobre o sistema de supervisão e administração de segurança nuclear e radioativa. A conclusão foi que a China vinha aumentando sua eficiência, regularização e internacionalização no seu sistema de supervisão. De acordo com Liu Hua, os padrões de segurança nuclear da China são paralelos aos internacionais.

O Livro Branco assinalou que a China está bastante atenta à cooperação internacional na segurança nuclear. O país já assinou acordos com a França, os EUA, a Rússia, o Japão e a Coreia do Sul, assim como com nações emergentes no campo da energia nuclear. Liu Hua disse que a China também oferece plataformas para formações e intercâmbios com países em desenvolvimento, a fim de elevar o nível de segurança nuclear global.

“A China se integra e implementa ativamente os instrumentos jurídicos internacionais sobre a segurança nuclear. Nos últimos anos, o país aderiu a quase todas as convenções internacionais neste setor. A China apoia os trabalhos da Associação Internacional de Energia Atômica. O país é o segundo maior contribuinte para a entidade e continuará doando para o Fundo da Segurança Nuclear”, disse Liu Hua.

Tradução: Paula Chen

Revisão: Gabriela Nascimento

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Paisagem outonal do lago Yamzbog Yumco no Tibet na China
Começa novo semestre da escola na China
Metrô para Aeroporto de Daxing será inaugurado em setembro
Paisagem noturna da cidade Manzhouli
China lança medalha comemorativa do 70º aniversário da fundação da República
Expo Smart China 2019 em Chongqing

Notícias

China divulga primeiro Livro Branco sobre segurança nuclear
China registra novos empréstimos crescentes em yuan na economia real
Primeiro-ministro britânico reitera Brexit no final de outubro
Governo de Hong Kong afirma que aumento de violência ilegal é de natureza terrorista
Rio de Janeiro sedia competição de chinês para alunos brasileiros
Boletim Oficial de RAEM oficializa resultado da eleição de Ho Iat Seng como Chefe do Executivo