Comentário: “Fabricado na China” é indivisível para empresas norte-americanas

Fonte: CRI Published: 2019-08-28 19:53:59
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A China foi forçada a tomar contramedidas diante da imposição pelos Estados Unidos de 10% de tarifa adicional às exportações chinesas no valor de US$300 bilhões. Alguns políticos norte-americanos ameaçaram aumentar mais a taxa e até pediram que suas empresas se retirassem imediatamente do mercado chinês para procurar alternativas. Tal afirmação chocou o setor empresarial de Washington e enfrentou severa oposição.

Negócios são negócios. É difícil deixar de lado as vantagens para as empresas transnacionais estarem presentes na China, incluindo as norte-americanas. Por outro lado, o país possui enorme mercado de consumo, com classe média de 400 milhões de pessoas. A Federação Nacional do Varejo norte-americana já declarou que é irrealista ficar isolada da segunda maior economia do mundo.

Por esse motivo, a China evidencia a contracorrente no contexto da desaceleração do aumento do investimento estrangeiro direto em todo o mundo. Nos primeiros sete meses, mais de 24 mil empresas com participação estrangeira estabeleceram-se na China, investindo 530 bilhões de yuans, com aumento de 7,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

É notável que no primeiro semestre as companhias norte-americanas também levaram US$6,8 bilhões de investimento para China, segundo dados divulgados pela consultaria Rhodium Group. Como por exemplo, a gigante de veículos elétricos Tesla planeja instalar sua fábrica mundial em Shanghai e o líder de investimento Bain Capital financia US$570 milhões a um fornecedor de dados chinês Qinhuai. O comportamento demonstra que as empresas norte-americanas não querem deixar o mercado chinês, mas sim desejam se envolver de forma mais profunda.

A China é capaz de fornecer cadeia de produção e suprimento completa para as empresas transnacionais reduzir ao máximo seu custo, no que reside a vantagem insubstituível do país. Metade das fábricas fornecedoras da Apple está localizada na China. Antes em Julho, a empresa pediu a Washington isentar 15 tipos de produtos chineses de tarifa adicional, sustentando um motivo simples: os componentes projetados pela Apple não têm outra opção de suprimento.

Além disso, a infraestrutura da China constrói uma poderosa rede de transporte rodoviário, ferroviário e portuário, o que facilita em grande medida a logística das empresas. Já a eficiência dos trabalhadores chineses tem sido a mais competitiva no mundo, isso sem mencionar o nível de ensino e a crescente criatividade.

Roma não é construída em um dia, nem uma “fábrica mundial”. Algumas pessoas nos Estados Unidos imaginam que podem levantar arranha-céus em curto tempo, o que não corresponde às leis básicas da economia e ainda atrapalha o funcionamento normal do mercado.

Nenhuma empresa quer ignorar um mercado com 1,4 bilhão de pessoas. A força do “fabricado na China” vem da dotação de recursos e da diligência do povo chinês. À medida que há ampliação de abertura da China, a “fábrica mundial” continua melhorando e vai trazer mais oportunidades de desenvolvimento para quem tiver boa relação com o mercado chinês.

Tradução: Isabel Shi

Revisão: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong