Comentário: Ampliação das zonas de livre comércio injeta dinâmica à economia chinesa

Fonte: CRI Published: 2019-08-27 16:58:42
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A China anunciou nesta segunda-feira (26) a criação das seis novas zonas piloto de livre comércio (ZLCs), nas províncias de Shandong, Jiangsu, Guangxi, Hebei, Yunnan e Heilongjiang. Com a medida, o número total de regiões piloto do país subirá para 18, o que demonstra a determinação do país de impulsionar a reforma e abertura e promover o desenvolvimento de alta qualidade.

A partir da implementação da primeira zona piloto de livre comércio em Shanghai, em 2013, já foram instaladas 600 mil novas empresas e 40 mil companhias de ativo estrangeiro. Uma área que representa apenas 2% do território chinês atraiu 12% do total investimento estrangeiro e contribuiu com 12% do montante das importações e exportações do país. As politicas preferenciais dadas às ZLCs continuam liberando grande potencial.

As seis novas zonas-piloto serão incumbidas com diferentes testes conforme as respetivas características. Por exemplo, Shandong, como província costeira, focará no desenvolvimento de economia marítima, enquanto Hebei, que cerca a capital chinesa Beijing, dará ênfase à construção de um novo tipo de base industrial. Já a província de Jiangsu deve incentivar a inovação e o desenvolvimento da indústria manufatureira. Por outro lado, Guangxi, no sudoeste do país, aumentará a cooperação com a região da Associação das Nações do Sudeste Asiático, e Heilongjiang, no extremo nordeste, planeja construir um centro de logística para promover negócios com a Rússia.

Há uma semana foi publicada a Opinião sobre Apoio a Shenzhen para Construção da Zona Pioneira de Socialismo com Características Chinesas, além de lançar o novo espaço da Zona piloto de Livre Comércio de Shanghai. As intensas ações do governo chinês serão uma locomotiva para acelerar a transformação do modelo da economia chinesa, injetando imensa dinâmica ao desenvolvimento econômico.

Neste momento, mais do se comportar no fluxo livre dos produtos, a abertura da China visa chegar à dimensão institucional. O estabelecimento das zonas de livre comércio proporciona uma plataforma importante para elevar o nível de abertura. Os novos arranjos, tais como relaxamento dos limites de capital estrangeiro e cancelamento de supervisão desnecessária, mostram os passos sólidos da China na direção do aprofundamento da abertura.

Apesar da disputa comercial provocada pelos Estados Unidos, a China tem seguido seu próprio caminho para promover a globalização e construir uma economia mundial aberta, cumprindo as promessas em relação à ampliação da abertura.

No primeiro semestre deste ano, a China conseguiu obter um crescimento econômico de 6,3%, colocando-se nos primeiros lugares entre as principais economias mundiais. É notável que os setores de manufaturas e serviços de alta tecnologia evidenciam aumento de investimento de 11,1% e 11,9%, sendo uma prova forte da importância da reforma e abertura.

No contexto em que alguns países sustentam o protecionismo, a China manifesta a determinação firme de abraçar investimentos estrangeiros e compartilhar com o mundo as oportunidades de desenvolvimento.

Tradução: Isabel Shi

Revisão: Diego Goulart

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong