​Comentário: China mostra racionalidade e contenção nas contramedidas tarifárias

Fonte: CRI Published: 2019-08-24 18:57:32
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

A China anunciou na sexta-feira passada (23) que seguirá com as prometidas tarifas adicionais sobre as importações norte-americanas, no valor de cerca de US$ 75 bilhões. As tarifas adicionais, de 10% ou 5%, serão introduzidas em duas parcelas. A primeira entrará em vigor em 1º de setembro e a segunda em 15 de dezembro. Além disso, a China continuará a impor tarifas adicionais de 25% ou 5% em carros e autopeças fabricados nos EUA a partir de 15 de dezembro.

A medida, uma resposta aos recentes aumentos das tarifas norte-americanas sobre os produtos chineses, é necessária para Beijing combater o unilateralismo e o protecionismo comercial de Washington. A China demonstrou mais uma vez que jamais se curvará a pressões extremas.

Os agricultores de soja norte-americanos serão uma das maiores vítimas do comportamento “caprichoso” de Washington. A China tem sido historicamente o maior mercado para as exportações agrícolas dos EUA. Em 2017, 57% das exportações de soja estadunidense foram destinadas à China. Mas a cifra caiu para 17,9% desde o início do ano passado, quando os EUA começaram a provocar os atritos comerciais. Depois que os presidentes Xi Jinping e Donald Trump chegaram a um consenso na reunião do G20 em Osaka em junho passado, a China voltou a importar soja dos EUA, de acordo com suas demandas domésticas. Mas o progresso foi novamente interrompido devido ao retrocesso de Washington sobre o consenso, que prejudicou as condições necessárias para levar adiante os termos do comércio agrícola. Segundo as estimativas do Departamento de Agricultura dos EUA, os produtores de soja norte-americanos devem ficar com um nível recorde de estoques até dia 31 de agosto.

O petróleo bruto produzido nos Estados Unidos foi pela primeira vez incluído nos itens submetidos às contramedidas chinesas. No ano passado, os Estados Unidos se tornaram o maior produtor de petróleo do mundo, e a China, o terceiro maior importador de petróleo bruto dos EUA, consumindo 11% das exportações americanas. A percentagem caiu para 2,6% devido à escalada das tensões comerciais provocadas por Washington.

Outro setor a sofrer prejuízos é a indústria automobilística norte-americana. Como o maior mercado de automóveis do mundo, a China reduziu significativamente as tarifas de importação de automóveis e autopeças desde 1º de julho do ano passado. Mas os fabricantes de automóveis e fornecedores de autopeças dos EUA não foram beneficiados e se tornaram vítimas de várias rodadas do conflito comercial provocado pelos próprios EUA. No final do ano passado, a China decidiu suspender as sobretaxas sobre veículos e autopeças dos EUA depois que os dois chefes de Estado chegaram a um consenso durante a cúpula do G20 em Buenos Aires. Mas Washington continuou aumentando a tensão, renegando suas próprias palavras, o que deixou a China sem outra opção a não ser retomar as tarifas sobre carros e autopeças dos EUA.

É importante notar que a China não direcionou a sobretaxa aos produtos que sejam essenciais para o bem-estar público, mostrando a restrição racional do lado chinês.

Pouco depois do anúncio de Beijing na sexta-feira, Peter Navarro, conselheiro comercial da Casa Branca, afirmou que os US$ 75 bilhões de tarifas “não são algo para o mercado acionário se preocupar”. Mas os três principais índices de ações dos EUA caíram logo após as bolsas abrirem as negociações.

A China expressou repetidamente sua disposição de adotar uma abordagem cooperativa para resolver as disputas comerciais sino-norte-americanas. Mais uma vez, Beijing deixou claro que jamais cederá em questões de princípio. Políticos norte-americanos devem provavelmente se lembrar bem disso.

Tradução: Inês Zhu

Revisão: Diego Goulart



Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong