Comentário: Twitter e Facebook não estão envergonhados!

Published: 2019-08-21 21:01:05
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

As mídias sociais dos EUA, Twitter e Facebook, anunciaram, recentemente, que já baniram cerca de mil contas “patrocinadas pelas autoridades chinesas” para “divulgar notícias falsas sobre manifestantes em Hong Kong”. No entanto, as imagens e notícias publicadas pelas contas banidas são informações que relatam a verdade sobre a violência em Hong Kong.

O que Twitter e Facebook fizeram foi extremamente hipócrita. Elas já abandonaram a chamada “liberdade de expressão” e se tornaram cúmplices dos que causaram a atual situação caótica em Hong Kong. Twitter e Facebook realmente não têm vergonha?!

Os conteúdos considerados “violação aos regulamentos” do Twitter e Facebook se resumem principalmente em dois aspectos. Primeiro, trata-se de uma informação sobre um ato de vandalismo perpetrado pelos manifestantes que consistiu em destruir e vandalizar o Conselho Legislativo e o segundo relacionado ao apoio à polícia local, defendendo a segurança e detendo criminosos.

Essas informações, com imagens verdadeiras, foram classificadas pelo Twitter e Facebook como “notícias falsas”. As empresas americanas foram mais longe ainda ao banir as contas que, através da campanha “apoio”, encorajaram e se posicionaram do lado da polícia. Não é de admirar que as pessoas considerem o ato do Twitter e do Facebook desprezo público à justiça e moralidade da humanidade.

Ao mesmo tempo, uma grande quantidade de notícias falsas que difamam polícias de Hong Kong e o governo chinês e outras que embelezam os membros radicais, e sua violência, foram plenamente divulgadas no Twitter e Facebook. Essa “execução seletiva da lei” é um choque ao mundo inteiro.

Na realidade, essa não é a primeira vez que os autoproclamados “liberal e neutro” Twitter e Facebook cometem um ato tão hipócrita. Eles já se tornaram ferramentas políticas de Washington. Quando Hillary Clinton era Secretária de Estado dos EUA, ela elogiou altamente o Twitter por facilitar a comunicação entre manifestantes em Teerã a organizar um protesto antigovernamental. Hillary Clinton disse ainda que o ato de Twitter seria um “modo básico da diplomacia norte-americana na era cibernética”.

Uma mensagem para Twitter e Facebook: não subestimem o patriotismo de 1,4 bilhão dos chineses. Os internautas jovens da China divulgam sua voz manifestando o seu apoio a Hong Kong e a defender a integridade do país.

Os EUA autoproclamam-se um país com “liberdade de expressão”. No entanto, o ato de Twitter e Facebook sobre a questão de Hong Kong mostra ao mundo que as chamadas “liberdade de expressão”, “democracia, justiça e equidade” não passam de cartas na sua mão que podem ser utilizadas para interesses próprios e egoístas.

O apoio a Hong Kong e o patriotismo de 1,4 bilhão dos chineses não serão banidos. Twitter e Facebook, deixem de interferir nos assuntos de Hong Kong e nos assuntos internos da China!

Tradução: Li Jinchuan

Revisão: Hilário Taimo

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Vista aérea do Lago Oeste em Hangzhou
Festival Internacional de Circo da China realizado em Zhuhai
Reserva Nacional Natural de Wanglang, na província de Sichuan
Cenário de neve no parque Beiling em Shenyang
Panda gigante brinca na neve em Heilongjiang
Paisagem do lago Ruqin no ponto turístico de Lushan em Jiangxi

Notícias

Presidentes da China e do Suriname reúnem-se em Beijing
Presidente chinês salienta importância de cultivar talentos militares
Políticos dos EUA difamam a imagem da China com intenções sinistras, disse porta-voz da Chancelaria
Comentário: Investidores globais estão otimistas com o mercado de capitais da China
Compatriotas de Taiwan têm tratamento igualitário em mais setores na parte continental chinesa
Alto funcionário do PCCh critica ato dos EUA sobre Hong Kong